Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Conceição Tavares e a crise

José Paulo Kupfer

27 de maio de 2009 | 13h11

Circula entre os economistas do Instituto de Economia da Unicamp um artigo da professora Maria da Conceição Tavares sobre a atual crise global. Sob o singelo título “A crise financeira atual”, o texto serve de base para a palestra que a professora emérita da UFRJ fará, sexta-feira, no Itamaraty, em Brasília.

Eis aí uma rara oportunidade de tomar contato com uma visão aguda sobre o principal tema da atualidade econômica, pela lente de uma especialista brilhante, que andava meio reclusa, depois de ter sofrido um dos mais violentos e cruéis processos de assassinato de reputação, entre os muitos que o pensamento neoliberal hegemônico levou a cabo, nas duas últimas décadas.

Conceição traça um quadro notável, pela clareza dos argumentos e economia de palavras, das origens da crise e de seus possíveis desdobramentos. Se fosse preciso reafirmar – o que não é, em absoluto, o caso –, estão ali, em resumidas quinze páginas, alguns elementos do estilo analítico iluminado que fizeram Conceição Tavares garantir lugar no panteão dos maiores economistas brasileiros de todos os tempos.

A visão dos caminhos da crise e de sua superação não é otimista. Conceição desconfia da eficácia das medidas anunciadas pelo governo Obama e avalia que a raiz da crise financeira americana está no desequilíbrio entre China e Estados Unidos. Assim, enquanto este ponto não for atacado, “a crise não estará resolvida”.

“É indiscutível”, escreve Conceição, “que essa crise pode se converter em depressão duradoura quanto mais forte for o tipo e a duração do ajuste das duas economias mais importantes do planeta”.
Em relação ao Brasil, a economista está “moderadamente otimista”. Conceição considera que o baixo grau de inserção na globalização financeira, a pequena dívida de origem fiscal e a alta proporção entre o mercado interno e o externo dão suporte a esse sentimento. E conclui: “Tudo isso dá ao País um maior grau de autonomia e torna os seus governantes altamente responsáveis pelo destino de nossa recuperação”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: