Dinheiro frio entra em fria

José Paulo Kupfer

18 de dezembro de 2008 | 16h09

A fraude de US$ 50 bilhões do gestor de fundos americano Bernard Madoff atingiu, como já se sabe, o cofrinho de muitos brasileiros endinheirados. A coisa pegou num pedaço daquilo que se convenciona chamar de “investidor estrangeiro”. Na verdade, brasileiros ou residentes no Brasil que às vezes mandam dinheiro frio para fora e às vezes trazem de volta.

Como nenhum deles veio a público – e dificilmente virá – para abrir o tamanho das perdas, o terreno fica fértil para especulações. Operadores de mercado falam que o prejuízo total dos brasileiros “espertos” varia entre US$ 1 bilhão e US$ 8 bilhões. Só intervalo entre o piso e o teto das perdas estimadas mostra que a conta é puro chute. Não há como dimensionar com alguma exatidão os valores reais envolvidos pela própria natureza do negócio. Os advogados que estão sendo acionados, para tentar salvar o que for possível do dinheiro aplicado nos fundos de Madoff, confirmam que uma parte grossa dos recursos não foi declarada ao fisco.

Além de chutar montantes que giram na casa dos bilhões, o pessoal que opera no mercado se diverte em espalhar nomes de ricaços que teriam caído no conto do vigário global. E aí entram na roda freqüentadores assíduos das colunas sociais do eixo Rio-São Paulo. O grupo seria formado por conhecidos milionários à frente de grandes empresas tradicionais, consultores financeiros de grife e novatos nas listas dos mais ricos, a partir de lançamentos iniciais em bolsas de ações de suas empresas. A fofoca é que as perdas individuais não seriam inferiores a US$ 20 milhões, mas há relatos de que um teria perdido, sozinho, US$ 200 milhões e outro, US$ 500 milhões!

Os próprios investidores sabem que a chance de recuperar a grana é zero ou perto disso, uma vez que Madoff reconheceu que, dos US$ 50 bilhões, teriam sobrado US$ 300 milhões. O que os advogados brasileiros estudam é se há possibilidade concreta de tirar dinheiro das instituições financeiras – como bancos e gestoras de recursos – que repassaram o “produto” de Madoff.

A briga pode ser boa. Mas será cara, desgastante e arriscada. Agora, vem a fase dois, aquela em que quem ganha mesmo são os advogados.