Economia hoje e no tempo em que os animais falavam

José Paulo Kupfer

17 de abril de 2008 | 19h29

Muito antigamente, no tempo em que os animais falavam, quando os juros subiam, a bolsa caía. No Brasil dos tempos modernos, quando os juros sobem, a bolsa também sobe.

No Brasil dos tempos modernos, no regime de câmbio flutuante, quando os juros sobem, o real se valoriza.

Antigamente, quando a moeda doméstica se valorizava, a tendência era abrir déficits nas contas externas. Esses déficits, que se acumulavam enquanto a moeda continuava valorizada, dava em dívida externa. Os déficits em contas correntes e as dívidas externas aumentavam até o ponto em que a moeda local começava a sofrer um ataque de especuladores. A partir desse momento, as reservas, usadas na defesa do valor da moeda, eram rapidamente consumidas e a moeda local entrava em processo acelerado de desvalorização.

Antigamente, a desvalorização da moeda local, o retorno atrapalhado de um período de valorização, produzia um surto inflacionário.

Mas, pelo visto, para o Banco Central e o conjunto de especialistas que comunga da visão do BC, isso era no tempo em que os animais falavam.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.