coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Inflação: “normalidade” pode ser mais efêmera

José Paulo Kupfer

24 de agosto de 2018 | 16h50

O retorno à “normalidade”, evidenciada pela inflação próxima da estabilidade em agosto, na comparação com julho, medida pela variação do IPCA-15, corre o risco de ser mais efêmero do que o previsto depois da dissipação dos efeitos inflacionários provocados pelo choque de oferta com origem na greve dos caminhoneiros de maio. A escalada das cotações do dólar, mesmo com a atividade econômica fraca, anda afetando, negativamente, expectativas e projeções para a inflação.

Com alta de 0,13% em agosto, o IPCA-15 acumula elevação de 3,14% no ano e de 4,3% em 12 meses. As projeções para o IPCA cheio de agosto, calibradas pela “prévia”, convergem para uma variação perto da estabilidade. Antes dos saltos na cotação do dólar, as previsões para a inflação até o fim do ano mostravam o IPCA mensal variando em torno de 0,3%, o que levaria o índice, no fim do ano, a avançar pouco acima de 4%. Mas, agora, esse cenário pode se alterar, com a inflação encostando em 4,5%, o centro da meta.

O principais componentes que pressão sobre o IPCA-15 do mês vieram de preços administrados, caso das tarifas de energia elétrica e das mensalidades de planos de saúde. Os preços livres recuaram, com destaque para alimentos. Também combustíveis e passagens aéreas colaboraram na redução do índice. Esse quadro, porém, deve sofrer alterações para cima até o fim do ano. Sustenta essa suspeita a expectativa dos consumidores de que haverá alta de preço no futuro próximo, registrada nas sondagens da Fundação Getúlio Vargas (FGV) desde junho.

Impulsionada por fatores externos — guerra comercial EUA x China, altas nos juros americanos de referência e risco de contágio da crise na Turquia — e domésticos — derivados sobretudo dos temores do mercado com a marcha das pesquisas eleitorais —, a taxa cambial vem apresentando uma trajetória de elevação já duradoura. Do início do ano até agora, a cotação do dólar subiu 20%.  Só nos últimos oito dias, o real se desvalorizou mais de 6% ante o dólar, em oito sessões consecutivas de depreciação.

O nervosismo no mercado tem sido acompanhado pelo Banco Central com silêncio e inação, o que tem provocado estranheza crescente entre operadores e analistas. A mensagem do BC em relação ao câmbio é a de que só atua para oferecer liquidez, mitigando a volatilidade e mantendo o bom funcionamento do mercado. Segundo a comunicação do BC, tais intervenções devem ser operadas diretamente sobre a taxa cambial, com instrumentos específicos como swaps cambiais e leilões de moedas. O recurso à política de juros só ocorre, ainda de acordo com o BC, quando se verificam efeitos secundários das variações do dólar na inflação.

Em maio de 2017, na crise deflagrada pela delação da JBS, que envolveu o presidente Michel Temer, o BC interveio com a oferta de dólares via swaps cambiais. Um ano depois, em junho de 2018, o BC injetou doses maciças de swaps cambiais, para fazer frente à volatilidade causada por altas do dólar no mercado financeiro global. Nessa ocasião, os estoques de swaps saltaram de menos de US$ 25 bilhões para quase US$ 70 bilhões, em que permanecem.

Altas mais duradouras do dólar ante o real são transmitidas aos preços, inicialmente, pelos canais dos bens importados que, por sua vez, servem de base para aumentos de preços dos concorrentes internos. Preços de alimentos e bens duráveis domésticos, que competem com importados, são, em geral, os primeiros a serem afetados. Impactos diretos alcançam, por exemplo, pães, massas e biscoitos — derivados de trigo —, assim como aves e suínos, cuja ração deriva do milho.

Cálculos baseados em situações passadas mostram que, a cada 10% de elevação na cotação do dólar, a inflação média se eleva em 0,75%. Essa relação, porém, depende do nível de demanda de consumo, que é correlacionado com o nível de atividade na economia. Quando a atividade está fraca, há mais dificuldade em repassar aumentos de custos aos preços finais — e vice-versa.

No momento a atividade se apresenta bastante fraca, com reflexos nos níveis elevados de desemprego e aumento da informalidade. Assim, a transmissão (“pass through”, em economês) tende a ser menos acentuada. De todo modo, alguma pressão sobre os preços sobrevive e as primeiras projeções de inflação mais alta do que antes projetada, ainda que se mantendo no entorno do centro da meta, já estão aparecendo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: