Nem tão fora da curva

José Paulo Kupfer

30 de julho de 2013 | 13h47

Um dos aspectos mais espinhosos das discussões econômicas é o da comparação de desempenho entre países. Parece mais um exercício de imposição de um tipo de modo de pensar a economia, no qual mal se esconde um viés político – e, na maior parte das vezes, é isso mesmo.

Quando os números da economia brasileira começaram a descer a ladeira, o embate entre os economistas do governo e os críticos de sua política econômica passou a rodar em torno de uma justificativa e de sua negação. Para o governo – e seus aliados – a raiz da perda de fôlego se localizava no renitente baixo ritmo de crescimento global. Já os críticos, apontando para o melhor comportamento de outras economias tão emergentes quanto a brasileira, carregavam nas mazelas econômicas verde-amarelas.

O problema insanável desse tipo de debate é que os debatedores, frequentemente, costumam desprezar a natureza dos ciclos econômicos e as suas também naturais assimetrias geopolíticas. A tentação de simplificar, em resumo, aumenta o risco do embarque em canoas furadas. Informações recentes sobre o ambiente e os horizontes econômicos globais confirmam que o risco de tomar partes pelo todo está aumentando.

Revisões e atualizações de projeções do crescimento global indicam que, com todos os seus evidentes e inegáveis problemas específicos, o Brasil não deveria ser tomado, pelo menos neste momento, como um ponto tão fora da curva quanto à trajetória da expansão econômica mundial. A presente etapa da crise global começa a se caracterizar pela perda de vigor das economias periféricas – “emergentes” no linguajar elegante dos mercados –, depois de um período em que elas, sob a ampla liderança da China, esta sim um emergente fora da curva, sustentaram o crescimento global.

Na capa da edição da semana passada, a revista The Economist aborda o tema do freio na expansão dos emergentes, sob o título “A grande desaceleração”. O fato é que a percepção cada vez mais difundida segundo a qual as economias não centrais estão batendo no muro e puxando o crescimento como um todo para baixo, dez anos depois de saltarem de 38% para 50% da produção global, encontra respaldo nas previsões de crescimento dos organismos multilaterais. Agora em julho, o FMI revisou, pela quinta vez consecutiva, a média do crescimento mundial de 3,3% para 3,1%, em 2013.

Na mesma linha e também para este ano, Cepal, órgão econômico da ONU para a América Latina, divulgou, na semana passada, revisão para baixo da expansão econômica da região. De 3,5% para 3%. Cuidado para não cair da cadeira, mas esse nível será sustentado, pela ordem de crescimento, por Paraguai (mais 12,5%), Panamá (mais 7,5%), Peru (Mais 5,9%), Bolívia (mais 5,5%) e Nicarágua (mais 5%).

Como no caso do FMI, a Cepal possivelmente ainda terá de ajustar suas projeções, de novo para baixo, antes do fim do ano. O Brasil, por exemplo, não crescerá 2,5%, como preveem, no momento atual, os dois organismos. Mas, não custa lembrar que o México também está na rabeira das previsões, com expansão de 2,8%, perdendo da Argentina, do Equador e até do Haiti.

A economia brasileira, não faz muito tempo, entrou numa rota descendente no ranking dos “queridinhos” entre os emergentes, cedendo lugar justamente para o México. O “modelo“ mexicano entrou no radar de analistas daqui e de fora porque apresentava, comparativamente, pontos positivos que o Brasil perdera, não soubera promover ou fora incapaz de sustentar.

Reformas pró-mercado e integração ao comércio internacional, com a costura de dezenas de acordos bilaterais, transformaram a economia mexicana, na visão de muitos, em paradigma a ser perseguido pelo Brasil. Mas a verdade é que, sem querer desculpar os evidentes erros da economia brasileira, vê-se com mais clareza agora que receitas prontas de vizinhos da região também podem não levar suas economias muito longe, quando o ambiente global é adverso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.