Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

O pacote não é uma brastemp, mas é positivo

José Paulo Kupfer

12 de dezembro de 2008 | 16h21

O pacote fiscal (e de crédito externo) que o governo soltou ontem não é nenhuma brastemp. É tímido, meio confuso, pouco abrangente e já veio tarde. Mas é muito positivo.

É positivo porque dá uma indicação mais concreta de que o governo está decidido a intervir para tentar evitar os efeitos da crise. Está claro que este não será o último conjunto de medidas que o governo despachará para estimular a economia. É de bom senso que seja assim, aos poucos, pois a quebra dos paradigmas nesta crise indica que o caminho é o da tentativa e erro – e que este deve ser trilhado, obviamente, testando cada passo diante da realidade. Mas, é claro, sem perda de tempo. A arte está em ir rápido, mas sem correrias.

O pacote é tímido não só porque seu impacto sobre a renda disponível e o crescimento da economia é pequeno. A renúncia fiscal estimada é de pouco mais de 1% da arrecadação federal prevista para 2009 e o acréscimo no PIB, segundo cálculos, sabe-se lá em que bases, do próprio ministro Guido Mantega, de apenas 0,3%.  Também é tímido principalmente porque não amarra as pontas do que pretende estimular. Um aspecto importante dessa timidez é que são poucas – para não dizer nenhuma – as exigências de contrapartidas dos setores e empresas beneficiados.

De um lado, o alívio fiscal para os contribuintes não é grande o suficiente para assegurar uma reversão na tendência de contenção do consumo. De outro, o rebate de impostos no setor automobilístico não garante, por si só, redução nos preços dos veículos ou, o que seria mais importante, o nível de emprego na indústria.

Mas a oportunidade de que as medidas se aproveitam é evidente. A criação de alíquotas intermediárias no IR da pessoa física é um bom exemplo. Faz tempo que se debate, sem que se consiga sair do lugar, a necessidade de dotar o IR de maior progressividade. A crise fez o serviço, ainda que o ideal fosse que a mudança viesse no bojo de uma reforma tributária que, no conjunto, também levasse os que podem mais a contribuir mais.

O caso do mecanismo de financiamento de empresas brasileiras no exterior, com recursos das reservas internacionais, é ainda mais curioso. Quase saiu tapa quando se discutiu o natimorto fundo soberano. Agora que a fonte de empréstimos externos ficou seca, um dos papéis essenciais previstos no projeto do fundo soberano aparece como saída inteligente (e é mesmo) para um problema agudo – e é anunciado, com a boca cheia, pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, inimigo número 1 do fundo soberano.

No fim das contas, há um problema de fundo na condução da política econômica brasileira nos tempos da crise atual. O governo é um só, mas, na área econômica, dois de seus braços não se bicam. Pacotes de estímulo fiscal e de crédito não são nada incomuns hoje em dia – nem aqui e, literalmente, nem na China. Mas governos que soltam pacotes de estímulo e, ao mesmo tempo, amarram os juros básicos da economia – e, pior que isso, depois de inundar o mercado com um afrouxamento administrativo forte da liquidez -, essa é mais uma das peculiaridades nacionais. 

Uma autêntica jabuticaba, se as jabuticabas não estivessem tão cansadas de comparecer para metaforizar esquisitices brasileiras. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: