Real, de objeto de desejo a mico

José Paulo Kupfer

27 Outubro 2008 | 07h30

O desmonte das posições alavancadas dos fundos de hedge (lá fora e aqui dentro) e de outras aplicações está em curso, mas ainda não terminou a queima de ativos sem lastro. Por conta da busca por liquidez e da fuga para o dólar (e para o iene), outras moedas estão começando a derreter. Deu no alto da primeira página do “The New York Times” do sábado que a lista inclui moedas de economias emergentes, como Brasil, Ucrânia e Coréia do Sul, e até mesmo de países industrializados, caso da Inglaterra (ver aqui, em inglês).

É grande a preocupação com esse movimento. Tão grande que já está sendo aguardada, para os próximos dias, mais uma intervenção do Fed e de bancos centrais de países desenvolvidos. Desta vez, o objetivo seria vender dólares (e ienes) para conter o avanço da moeda americana (e da japonesa) alta e estabelecer um piso para as moedas emergentes sob pressão.

Intervenções de bancos centrais dos países ricos em mercados de moeda são relativamente raras. A última vez que o Fed interveio no mercado de moedas foi em setembro de 2000, quando, em coordenação com o Banco Central Europeu e o Banco do Japão, socorreu o euro. Antes disso, houve uma intervenção em junho de 1998, durante a crise da Ásia.

A preocupação com as conseqüências do desmonte de posições, principalmente nos fundos de hegde, por natureza os mais alavancados,  atravessou o Atlântico. Na medida em que o Brasil, com suas taxas de juros exorbitantes e sua moeda supervalorizada, atraiu enorme massa de capital de arbitragem, o real e papéis de empresas brasileiras, sobretudo os originários de lançamentos iniciais (IPO) recentes, passaram a figurar entre as vítimas preferenciais da queima de ativos.

Não é à toa que tem gente em Brasília com o coração na mão. Tomara que suas expectativas não se confirmem.

* * *

Do ponto mais baixo de sua cotação frente o dólar, no comecinho de agosto, até o fechamento do mercado na sexta-feira, 24 de outubro, o real sofreu uma desvalorização de quase 50%. É algo semelhante, ainda que em proporções por enquanto apenas ligeiramente menores, ao ocorrido na mudança do regime cambial, nos primeiros meses de 1999.

Falar nisso, o que será que aconteceu com o investimento do lendário Warren Buffet no real, que ele tanto alardeou? Será que o guru dos investimentos se desfez da posição na moeda brasileira antes dessa maxidesvalorização? Ou será que ficou com o mico?

 

Atualizado às 16h50