a química nas equipes

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

a química nas equipes

Claudia Miranda Gonçalves

13 de outubro de 2020 | 16h48

a química dos times

 

Ainda hoje, em muitas organizações, a realidade é que líderes chamam pessoas para juntar madeira. Embora a tarefa seja importante, se dissociada do ‘para quê estamos juntando madeira’, se não estiver conectada a um significado maior para que a executa, aumentam as chances de erros. Isso também se dá nos níveis mais altos dentro de uma organização. Quando o líder da organização ou os acionistas determinam objetivos áridos e sem significado para seus times executivos, obterá as tarefas feitas, ou, como acontece com maior frequência, justificativas de por que não deu certo. O desenrolar desse enredo todos conhecemos.

Times em que cada um faz sua parte, operando em silos, reuniões que geram reuniões e as coisas não seguem adiante, pessoas brilhantes em suas áreas que atuam de forma mediana em equipe, reuniões onde decisões, que ninguém individualmente gostou, são tomadas. 

O que está faltando aqui não é necessariamente competência ou saber trabalhar junto. Então, o que é? Está faltando a química, a magia que faz as coisas acontecerem. 

É a resposta a essas 3 perguntas:

  1. O que é que esse time existe para realizar? qual sua contribuição para a missão da organização?
  2. Quais são as coisas que fazem juntos
  3. Para que? qual benefício é consequência de ser um time?

As respostas a essas perguntas compõem o propósito desse time. Cada time tem seu lugar único de contribuição para o propósito maior da organização. O propósito também pode ser entendido como a química, a magia dos objetivos. Enquanto objetivos devem ser mensuráveis e concertos, o propósito oferece o significado e importância.

Cabe a você, líder, que tem a visão mais ampla sobre o propósito da organização, seu contexto e estratégias, oferecer uma primeira versão desse propósito e definir o time necessário para chegar lá. O próximo passo é permitir que esse time molde e dê corpo a esse propósito, incorporando-o  como sentido comum que torna a contribuição de cada um significativa.

Essas são as condições que respondem à pergunta Shakespeariana “ser ou não ser” do time e de cada membro. Rompido esse limiar, prepare-se para reuniões que ultrapassem o compartilhamento de informação. Abra espaço, pois seu time tem soluções.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: