A trilha das empresas e lideranças no “pós-digital”

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

A trilha das empresas e lideranças no “pós-digital”

Claudia Miranda Gonçalves

16 de junho de 2020 | 10h30

Por Andréa Nery

Com o início do retorno as atividades comerciais, as empresas se preparam para enfrentar o desafio dos ambientes de trabalho. As tendências começarão a ficar mais definidas e o que estava emergindo mais evidente.

Chegou o momento de encarar de frente a realidade fluida!

Este será um marco importante para diferenciar as empresas que serão capazes de responder e sobreviver no “pós-digital”.

Os três últimos meses aceleraram tecnologias, desafiaram a capacidade de agilidade e modificaram os paradigmas.

Mudaram o tempo, o espaço, as relações, a forma, a visão…

A flexibilidade vivida nos horários, ambientes, vestimentas em contrapartida a relatos de reuniões mais eficientes e maior criatividade, aumenta a responsabilidade de que o retorno ao ambiente de trabalho ocorra de forma segura e responsável.

Da empresa se intensificará a cobrança para que seja ética e transparente nas suas políticas de privacidade, acesso, segurança e compartilhamento de informações.

As empresas vão precisar fazer diferente.

As evidências mostram que clientes e empregados serão mais ativos em suas escolhas e atribuirão mais responsabilidade social às empresas.

Vejam os exemplos das reações dos clientes às declarações do dono do Madero ou os protestos dos funcionários do Facebook sobre o posicionamento da empresa às declarações de Donald Trump.

Da liderança será imprescindível que vá muito além do conhecimento técnico e das habilidades tecnológicas.

Com aumento da complexidade e busca por soluções ágeis e inovadoras que chegam através de processos colaborativos e inclusivos, a liderança atua com uma linguagem nova que não encontra espaço para termos como “guerra por talentos”, “sangue nos olhos”, “arrasar a concorrência” …

Brian Chesky, CEO do Airbnb, se destaca ao escrever uma carta de demissão à 1900 de seus empregados clara, transparente e principalmente em um tom humano como dificilmente visto antes.

Jacinda Ardern, Premiê da Nova Zelândia, é outro destaque de liderança efetiva com um estilo focado em empatia.

Exemplos de uma liderança empática e sensível que está preparada para se desenvolver no fluxo dos acontecimentos, que abre mão de velhos conceitos e que vai descobrir oportunidades em meio a ambiguidade e muitas possibilidades.

Uma liderança humanitária que coloca os recursos tecnológicos a serviço da vida, e olha para os problemas reais e do dia a dia.

Uma liderança inteligente e sábia, que alinha seu pensar, sentir e querer, que ouve com o coração, sentindo e acolhendo.

O caminho de desenvolvimento da liderança “pós-digital” está em um profundo processo de autoconhecimento, e autocompaixão.

O protagonismo é determinante, cada um criará sua própria jornada de desenvolvimento.

O aprendizado se intensificará pela ação, em sua maioria por meio de experiências próprias; adicionalmente através de experiências de outros, com desenvolvimento colaborativo p2p, mentorias e coaching.

O líder dará sustentação a um ambiente de segurança para que todos participem e contribuam com sua visão única e singular. Atuando com cabeça e coração, confia na intuição e desenvolve uma visão sistêmica que lida com as sutilezas e trabalha com a percepção.

Mas não confunda tudo isso com falta de estrutura e de planejamento, com tantas opções e dados disponíveis um pensamento analítico e crítico será essencial para guiar e garantir a agilidade requerida para as múltiplas mudanças de roteiro.

O caminhar deste tempo exige presença. Uma presença que se conecta com o passado para nele buscar forças, e não para encontrar respostas, e que observa o futuro para perceber o que está emergindo, e não para ter certeza na decisão.

Coragem e vulnerabilidade devem estar na mochila.

Não nos caberão mais lideres que produzam sentido e que tomem decisões solitárias voltadas somente aos resultados financeiros, nem empresas focadas em crescimento a qualquer preço.

Você está pronto para criar sua trilha?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: