Carnaval

Carnaval

Claudia Miranda Gonçalves

16 de fevereiro de 2021 | 09h50

Carnaval sem festa. O que estamos perdendo? 

Do ponto de vista antropológico, o carnaval é um ritual de reversão, no qual os papéis sociais são invertidos e as normas de comportamento são suspensas. Na Antiguidade, os povos consideravam o inverno como um reino de espíritos que precisavam ser expulsos para que o verão voltasse. O Carnaval é como um rito de passagem da escuridão para a luz, do inverno ao verão: uma celebração de fertilidade, a primeira festa de primavera do ano novo. (Wikipedia)

Deixando de lado a parte bonita e gostosa dos desfiles e da folia, estamos suspendendo um ritual que remonta o Egito Antigo e Grécia. Primeiro, a sabedoria de que a vida funciona em ciclos. Segundo, que é preciso suspender as normas para deixar vir o novo. 

O Carnaval é alegria e liberação, uma forma bastante diferente de celebrar o fim do inverno (no outro hemisfério). Uma forma de liberar o que aconteceu, deixar para trás um período difícil e de escassez. O que podemos aprender aqui é a liberar, deixar ir para que não fiquemos com TRAUMA. E também a nos abrirmos com alegria para o novo ciclo, mesmo sabendo que eventualmente ele também se encerrará. 

Tudo o que sabemos sobre:

Carnavalcomplexidadecriatividade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.