Causas e Efeitos

Causas e Efeitos

Claudia Miranda Gonçalves

13 de maio de 2016 | 11h57

Thick arrow pointing to the left and up, made from plenty of colorful jigsaw puzzle pieces separated on white background.

Em abril fizemos uma pesquisa acerca das causas e efeitos dos principais problemas que atingem empresas. Nossos respondentes são das mais variadas empresas em termos de setores, tamanho, e idade (empresas centenárias e startups).  As pessoas que gentilmente responderam a esta pesquisa vão de CEO’s  a analistas, passando por uma ampla gama de funções e cargos. Apresentamos aqui um levantamento de causas e efeitos para analisarmos algumas relações. Embora as causas e efeitos não sejam novidades, olhá-las em conjunto trouxe uma perspectiva interessante para reflexão.

O que obtivemos como causas:

CAUSAS DE PROBLEMAS

CAUSAS DE PROBLEMAS

 

 

Gostaria de chamar atenção não tanto sobre os itens mais votados – comunicação ineficaz e equipes não integradas, mas aos intermediários: liderança ineficiente, visão de futuro e metas pouco claras (itens circulados). Partindo de uma visão mais sistêmica, os três itens intermediários mostram questões mais estratégicas que certamente têm impacto nos outros grupos. O grupo superior – comunicação ineficaz e equipes não integradas – tem a ver com o nível relacional, enquanto que os dois inferiores têm mais a ver com conhecimento e estrutura (excluindo-se liderança sem energia).  A boa notícia aqui é que a liderança das empresas parece ter energia!

Outra boa notícia é que capacitação das equipes  e gestão de conhecimento aparecem como causas menos frequentes de problemas. De fato, nas últimas décadas se investiu bastante em capacitação e gestão de conhecimento. A tecnologia ajuda muito para criar inteligência sobre o negócio e o mercado. Também tem se investido muito em melhorar a comunicação, mas talvez ainda como foco muito mais na competência em si que com foco em gerar resultados através da melhor comunicação.

Investe-se menos talvez na parte mais estratégica – que tem a ver com a liderança das empresas – estão de fato sendo mais bem capacitadas quando chegam ao topo?  Quanto tempo as lideranças realmente dedicam a estabelecer metas claras e visão de futuro?  A velocidade das mudanças, os contextos vertiginosos, são fatores que dificultam a forma tradicional de se fazer estratégia. Para a realidade atual, muito rápida e imprevisível, é necessária uma nova abordagem.  Os líderes precisam ser preparados para pensarem de maneira mais sistêmica para fazerem frente à complexidade. Da falta de clareza nas metas e na visão de futuro, rapidamente tropeçamos nas equipes não integradas e na comunicação ineficaz. Como comunicar algo sobre o que não tenho clareza? Se vejo apenas uma parte pequena em lugar do todo? As equipes precisam aprender a trabalhar mais em conjunto, criar coletivamente soluções e ajustar as mesmas sempre que necessário.

As respostas à questão 2, quais as principais causas de problemas em sua empresa refletem a necessidade de novos modelos de gestão e de comportamento nas equipes. A era do taylorismo e departamentalização mostra sinais de exaustão e ineficiência para as novas exigências do mundo VUCA ( da sigla em inglês: Volatile (volátil) Uncertain (incerto) Complex (complexo) Ambiguous (ambíguo)).

Os efeitos nas empresas, abaixo na próxima figura, mostram que as pessoas, equipes, sofrem muito com isso. Pagam com saúde, stress, burn out. Quando as empresas olham isto, normalmente pensam: precisamos melhorar a MOTIVAÇÃO! É como dizer que a dor de cabeça resulta da falta de aspirina… Motivação – ou aquilo que nos move – vem de dentro. Independentemente dos problemas e circunstâncias, quando tudo dentro de nós ( o pensar, o sentir, e o agir) estão alinhados a um propósito ou intenção, temos energia para fazer o que for. Basta ver empreendedores fazendo milagres. Equipes fazendo turnaround.

A distribuição de efeitos segue mais ou menos a mesma categorização da observada na questão 2. Os itens com maior percentual são de relacionamento, assim como na questão 2; conflitos organizacionais e dificuldades em atingir as metas estão na camada intermediária (itens circulados). Novamente, conflitos ou falta de clareza nas lideranças geram comunicação pobre ou conflitos mais abaixo nas hierarquias.

EFEITOS NAS EMPRESAS

EFEITOS NAS EMPRESAS

 

Fizemos perguntas abertas, acerca do que as empresas e os respondentes estão fazendo a respeito. Vejam as palavras-chave em nuvem, que revela termos que mais apareceram nas respostas.

Questão 4: O que sua empresa está fazendo a respeito?

 

O QUE SUA EMPRESA ESTÁ FAZENDO?

O QUE SUA EMPRESA ESTÁ FAZENDO?

Questão 5: O que você está fazendo a respeito?

O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO?

O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO?

 

Questão 6: Quanto vale ter isso resolvido?

QUANTO VALE RESOLVER?

QUANTO VALE RESOLVER?

As nuvens de palavras das questões abertas podem ajudá-lo a entrar em contato com sua própria experiência. Quais delas geram ressonância? Com o que se identifica?  A ideia aqui está longe de ser a de trazer alguma receita milagrosa! A ideia é abrir um espaço para reflexão e ação. Por parte das empresas, de que elas precisam? Por parte das pessoas, o que estão dispostas a fazer para contribuir nas empresas? Da parte de nós, consultores, o que podemos trazer que seja efetivo?

Boas reflexões!

Abraços,

Claudia Gonçalves,  agora da Ikigai.etc

ESTE É O GRUPO DE CONSULTORES QUE CONCEBERAM E VIABILIZARAM A PESQUISA

Claudia M. Gonçalves                Eduardo Banzato

Dora G. Machado                       Fábio de Barros

Diego Aieta                                  Cecília Costa

Washington Luiz Ferreira de Souza