Como ouvir desperta a inteligência de grupos

Como ouvir desperta a inteligência de grupos

Cornelia Benesch Bonenkamp

16 de dezembro de 2015 | 18h40

Em 1980 a alta gestão de uma serraria na Califórnia procurou Jim Rough, pois havia grandes dificuldades entre os colaboradores.

Rough se lembra: “minha tarefa era acalmar os desordeiros, pois os produtos começaram a apresentar mais erros e o rendimento caiu. A empresa pensava que a dificuldade tinha a ver com os briguentos, que influenciaram os outros.”

Jim Rough, nessa época com 30 e poucos anos, tentou resolver as brigas. Porém nenhum dos métodos de mediação que conhecia trouxe sucesso. Como ele não entendia nada das técnicas de carpintaria, finalmente perguntou aos colaboradores quais as suas dicas para a resolução do problema.

1

Um carpinteiro falou: “precisamos mandar embora o capataz”. Jim Rough anotou num painel e perguntou: “e como você quer fazer isto?” O carpinteiro ficou bravo: “Como eu? Isto é a sua tarefa. Você deve fazer”. Jim Rough acrescentou o pedido no painel.

“Mas o capataz não é o problema”, falou um outro: “Ele é ok”. Jim Rough anotou e perguntou: “E em sua opinião, onde está o problema?”

“O sistema como um todo não funciona.”

“E o que você faria concretamente para melhorar o sistema?”

Jim Rough anotou todas as sugestões e perguntou exaustivamente até que cada colaborador tivesse formulado sua ideia de melhoria da forma mais concreta possível.

Com isto surgiu algo essencial: era importante melhorar as ferramentas e simplificar os processos de trabalho.

“Quais dos seus problemas vamos resolver primeiro?” Jim Rough perguntou quando acabaram as sugestões. “Você deve saber o que nós precisamos fazer. Para isto, afinal, você é pago.” Replicaram os colaboradores. Rough explicou a eles que agora tinham a oportunidade única de influenciar a administração da empresa, porém os carpinteiros não quiseram se posicionar.

2

 

Porém, poucos dias depois um técnico se posicionou. Descobriu a causa pela qual uma das máquinas mais importantes sempre quebrava. A dificuldade foi resolvida e Jim Rough a partir desse momento ia regularmente à empresa para falar com os colaboradores.

Em cada turno de trabalho havia 12 colaboradores e em cada início de um turno era comunicado o que foi falado no turno anterior. Quando aparecia algum problema, rapidamente um colaborador achava a solução.

A produção melhorou tão rápido que o CEO do Headquarter de Seattle veio para ver qual foi o milagre ocorrido. Perguntou ao Jim Rough como conseguiu a melhora que por meses parecia inatingível.

“Simplesmente perguntei e ouvi.”

Todos nós somos limitados na nossa observação. O quanto você aumenta a sua capacidade de tomar decisões ao ouvir e perceber outras visões?