O empreendedorismo é de dentro para fora

Claudia Miranda Gonçalves

20 de agosto de 2019 | 10h00

Por Flávia Ferrari

Muita gente acredita que para ser empreendedor, você deve ter isso enraizado, ter tido exemplos dos pais, ter estudado muito, e até mesmo já ouvi que “tem gente que nasce com o dom”. Acontece que, não é bem assim. Em um país com crises e com desigualdade social, problemas e desafios sendo expostos todos os dias, a gente precisa se virar.

Vindo de um lugar de privilégios, sei que a vida foi um pouco mais fácil para mim do que para outras pessoas que não tiveram as oportunidades que tive. Mas para que exista a mudança, precisamos olhar para outros lugares, ter outras experiências.

Eu mesma, dividida em vários e vários projetos, consigo ter a percepção de como cada bolha é diferente, cada pessoa tem suas superações para ultrapassar e mudar algo que precisa.

No meu canal do YouTube, com centenas de comentários todos os dias, vejo pessoas de todos os tipos. Sei que ali, existem casos dos mais diferentes possíveis, desde pessoas que trabalham com limpeza e organização até pessoas que realmente buscam soluções para a própria casa, o próprio cotidiano. Isso me faz enxergar duas coisas: na visão macro, vejo que no fundo, todos estamos ali buscando conhecimento, buscando informação para melhorarmos nossas vidas. Na visão micro, percebendo cada comentário, vejo a transformação que uma simples dica pode gerar.

Uma vez, postei um vídeo falando sobre como limpar e remover o cheiro de xixi da cama. Eu imaginaria, e pensei quando o fiz, que seria destinado para mães com filhos pequenos, que passam por essa fase de desfralde e ainda não entendem perfeitamente os sinais do corpo. Mas, com um certo comentário, fiquei extremamente comovida: uma moça que tomou as dicas para si trabalhava num asilo, e contou que aquela dica serviu para proporcionar um ambiente melhor para os velhinhos que ali residiam.

Quem diria, que mirando em um alvo eu acertaria em outro? E é exatamente essa noção de dentro para fora, de buscar entender nas minúcias que está o empreendedorismo. Nós queremos o tempo todo olhar para fora, olhar para o grande, nos espelharmos nos maiores. Sim, eles podem ser um incentivo, mas nosso objetivo não pode ser o outro, deve ser a nossa própria evolução.

Todos esses anos trabalhando com produção de conteúdo venho percebendo que meu maior poder é este: transformar vidas, ensinando tudo o que sei para que seja replicado em cada casa, em cada canto. E sei que, para crescer, preciso olhar para mim mesma e projetar a mim mesma adiante, não outra pessoa, não outro alguém.

Sim, é verdade que nem todos têm as minhas oportunidades, mas se posso deixar uma mensagem que realmente sirva para todos é: olhe para você, olha para o seu arredor. O que você pode fazer por você e pela sua comunidade? Não precisa ser muito. Uma quentinha, a famosa marmitex? Um artesanato? Escrever sobre algo porque você domina bem o português? Ou produzir conteúdo para as redes sociais? Dar consultorias de algo que você entende perfeitamente? Dar aulas? São muitas opções, das mais variadas possíveis. Mas lembre-se: é de dentro para fora. Evolua, sempre pensando em você.

Tendências: