Foco na pessoa ou na cultura empresarial?

Foco na pessoa ou na cultura empresarial?

Cornelia Benesch Bonenkamp

21 de outubro de 2015 | 15h59

O que importa mais? As pessoas ou as regras dos jogos, das empresas?

 

Com certeza a maioria de vocês irá responder, pessoas! Nossa sociedade e cultura estão viradas para avaliar pessoas, treinar pessoas – empresas são até permeadas em formar pessoas em fazer delas grandes líderes.

 

Coloquei minha questão em prática e fiz uma pequena pesquisa: Perguntei centenas de pessoas: O que você acha mais importante, o jogador de futebol ou as regras do jogo. Mais do que 70% das pessoas responderam o jogador. Sabem qual foi minha resposta? Bobagem!

Pensem comigo: O jogador simplesmente faz parte das regras do jogo. Okay, sem ele não tem jogo de futebol. Ao mesmo tempo, todos os jogadores se submetem, as regras do jogo, todos eles não importa qual a relevância do jogador. O goleiro não pode sair do gol para chutar um gol no gol dos outros. Também não podem jogar com a mão. Quem não obedece as regras fica fora. Um jogador, ficando doente, fica fora, ou é substituído.

As regras movimentam os jogadores.

jogo

Podemos transferir esse exemplo para empresas.

Empresas investem muito dinheiro em treinamentos de liderança. Foco nas pessoas/jogadores. E as regras da empresa? Quais as regras, princípios que explicitamente e implicitamente regem no sistema? De quando são as leis que a empresa precisa cumprir? Quais os princípios que regem e desde quando? Tudo isto acompanha o desenvolvimento contínuo da economia ou é feito numa época e não corresponde mais nos dias de hoje? A mesma coisa vale para a política, leis etc. Irei explorar esse assunto em outro post.

Quando focamos nos indivíduos deixamos de explorar as regras, leis, princípios que movimentam os seres humanos e o tudo.

Pessoas como empresas são seres vivos e submetido as mudanças continuas.

No tempo do hoje, de mudanças explosivas, as pessoas devem correr mais rápido, vender mais,

incriveis

 

porém as possibilidades de desempenho não mudaram. Que impacta na sustentabilidade da empresa em si, no futuro dela.

Assim quando empresas têm dificuldades, às vezes não seria mais eficiente olhar para as regras, leis e cultura da empresa, e se forem ultrapassados mudar elas antes do que investir em mudar pessoas? Pois como a gente já sabe, as regras são acima de qualquer indivíduo.

E agora se pergunte – não é a falha de foco de olhar para as regras/processo que nós faz dar voltas e voltas em problemas?

engrenagem

 

Não poderia ser assim?

 

alvo

 

O que inibe as pessoas se comportando diferente? Em primeiro lugar focar nas condições/regras/cultura e no segundo lugar olhar para os indivíduos.

Assim empresas que investem em liderança sem focar em primeiro lugar nos contextos e nas regras, na cultura na qual o trabalhador é submetido, investem em muitas decepções, licenças de doença e com isto perdem o foco no mais importante, no melhor serviço para o cliente.

ACORDEM!!!