Leveza

Leveza

Claudia Miranda Gonçalves

07 de dezembro de 2021 | 10h30

Por Andréa Nery

Trabalhando no planejamento estratégico da empresa e na elaboração de nossas metas para o ano a nossa frente decidimos por uma reunião periódica para avaliar a qualidade das relações que estamos estabelecendo, mas para isso achamos importante, assim como fazemos com nossos clientes, utilizar indicadores.

Constituímos nossa empresa meses antes de entrarmos em “lockdown” por causa da pandemia, durante este tempo trabalhamos de forma remota e atendemos nossos clientes por plataformas virtuais, o formato híbrido faz todo sentido para nós, mas já aprendemos que para que ele se sustente precisamos periodicamente checar como os espaços e oportunidades de interação estão funcionando para cada uma de nós.

Inicialmente criamos um encontro semanal sem pauta, um espaço para emergir as conversas do café, as risadas do almoço, o estabelecimento de vínculos que vão além das questões de trabalho e que nos permite uma conexão mais humana para enfrentar os desafios de nossos objetivos.

Porém, ao revisarmos nossa intenção e propósito, observamos que precisávamos ir além, e enfrentar diálogos difíceis que ajudam a mudar a rota e fazer ajustes em um ambiente com muitas mudanças e incertezas. E decidimos por um diálogo guiado por valores que queremos ter presentes em nossa relação profissional.

Através destes diálogos teremos oportunidade de trazer o que nos incomoda e compartilhar, poderemos nos ouvir, e criaremos a oportunidade de ouvir o outro, entender o que temos em comum, e também como nossas perspectivas podem ser diferentes.

No desenvolvimento constante de relações este exercício é essencial!

Situações que nos incomodam quando aprisionadas em nossas mentes podem criar monstros imaginários que vão levando embora nossa paz e nossa leveza.

Sem leveza vivemos uma vida estressada e corrida, com preocupações e sem humor, estamos sempre cansados e sem vontade. Nossa forma de enfrentar as adversidades são negativas e contagiam tudo.

Então, a leveza foi um dos valores que transformamos em indicadores para medir o desenvolvimento de nossa empresa.

A minha leveza é diferente da leveza da minha sócia, diferente da sua, que tampouco é igual à de seus amigos, e familiares, e é isso! Mas, estabelecemos o uso de um termômetro interno e conversamos sobre como a leveza vai se refletir na entrega de nosso trabalho ao cliente.

A leveza depende da nós, andamos meio pesados e pouco gentis, cada vez mais estressados e presos em nossas buscas externas, esquecendo o que já trazemos em nós. Vimos estimulados a carregar excessos, buscar sempre mais e esquecer de viver o presente sem apreciar o ciclo natural.

E essa maneira como transitamos pela vida é responsabilidade de cada um, podemos carregar angústias, medos, insatisfação, ou podemos diminuir um pouco essa bagagem. Por outro lado, estamos seguras que ao alcançarmos essa leveza, ela contagiará quem estiver conosco e estaremos influenciando com o exemplo e com a possibilidade de fazer diferente.

Decidimos pelo caminho de prestar atenção, reconhecer o peso no nosso dia a dia e propor pequenas mudanças, substituindo o peso por doses de bom humor, diversão, gentileza e paciência com as imperfeições. Escolher atitudes que deixem a vida mais leve, fazer as coisas com calma, dispensando a ansiedade, com um foco na solução do problema.

Estávamos seguindo padrões, frutos de contextos, e para seguir com nosso objetivo de “ser leve” teremos uma jornada a nossa frente, por isso definimos nossa reunião e nossos indicadores e daremos a nós mesmas a chance de um olhar mais doce e humano para a rotina e vamos nos lembrar da escolha de seguir de um jeito menos duro e rude, principalmente com a gente mesmo.

E você, já parou pra pensar que indicadores vão nortear a qualidade das relações em sua equipe e sua empresa?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.