Mães no escritório

Claudia Miranda Gonçalves

02 de julho de 2019 | 11h02

texto por Livia Zillo

No dia 12 de Junho eu fui convidada para dar uma palestra sobre “Mães no Escritório” no Instituto de Imunogenética (IGEN) aqui em São Paulo. Na platéia aproximadamente 35 mulheres, que compreendiam desde a equipe de limpeza do laboratório até a coordenação. A minha palestra estava ali para falar de um tema que todas as mães que trabalham precisam enfrentar, a sua relação profissional e a sua maternidade e já posso adiantar que a tarde de trocas que tivemos foi incrível.

“Mães no escritório” foi criada para ajudar as mulheres a resignificarem a sua relação trabalho/maternidade, essa palestra tem o intuito de ajudar as mulheres a perceberem a estória que estão contando pra si mesmas e então, terem a chance de escolher uma nova estória. A palestra também foi criada para permitir a participação ativa dos ouvintes, e foi maravilhoso perceber que mulheres tão diferentes, com estórias tão diferentes, viviam e experienciavam os mesmos paradigmas, emoções e desafios na maternidade.

Culpa, “eu sou a pior mãe do mundo”, solidão, “estou fazendo tudo errado”, saudades, estão entre alguns dos sentimentos relatados por essas mamães neste encontro. E a minha proposta foi: essa é a sua relação hoje com a maternidade, como você gostaria que ela fosse? e o que é preciso ser feito/mudado para que se torne o que você deseja?

Existe também o fato de que nos apegamos ao negativo, uma coisa que fazemos, como por exemplo sair de casa para trabalhar e deixar seu filho – soa como algo negativo, logo, somos as piores mães do mundo e assim seu dia passa por completo e você se sentiu péssima em todos os instantes. O que eu ajudei essas mulheres a relembrarem foi, quantas noites já ficaram acordadas, quantos fins de semana se dedicaram somente à maternidade, quantos encontros com as amigas deixaram de participar, quanto amor não é dado enquanto estão com seu filhos….e aos poucos notei elas perceberem que de fato, não eram péssimas mães, eram somente mães que tem uma carreira.

A minha última sugestão para aquele incrível grupo de mulheres foi: criem um grupo de apoio – encontrem-se com frequência e falem sobre isso, entender que a outra pessoa está passando pelas dificuldades nos ajuda a lidar com nossos próprios medos e aflições.

E tenho o mesmo a dizer para você, mãe que trabalha, encontre seu grupo de apoio ou crie um, não é preciso passar por todas essas questões sozinha!

 

 

Livia Zillo mãe do Lucca, empreendedora, sócia da Claúdia Gonçalves na Ikigai, enérgica e comprometida com o “esclarecer”. Sem rótulos, e em tom de bom humor espontâneo e uma postura que provoca a escuta ativa e a fala presente, essa coach com MBA em Gestão de Projetos, formação em Coaching Ontológico, Liderança e Neuro-sistêmico, e especialista em linguagem corporal, conecta a sua contribuição para o mundo com as relações do comportamento humano.

Tendências: