Nossas necessidades e a mentalidade da abundância

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Nossas necessidades e a mentalidade da abundância

Claudia Miranda Gonçalves

18 de agosto de 2020 | 10h30

Por Andréa Nery

Quantas vezes você se percebeu agitado, sobrecarregado, nervoso e sem saber como dar conta de tudo?

Eu, muitas vezes!

Mas, de uns tempos pra cá, como resultado de processos de autoconhecimento e de trabalhos com diálogos, encontrei caminhos que têm me ajudado a lidar de forma diferente com estes sentimentos.

Gostaria de compartilhar as reflexões que vem possibilitando meu caminhar com maior consciência e leveza diante de situações que aparentemente não estão sob meu controle.

E para começar escolho refletir sobre necessidade.

E o que é necessidade para você? Já pensou como você vive suas necessidades?

  • Do dicionário temos: Característica ou particularidade do que é necessário, essencial. Falta daquilo que é essencial; falta. Necessidade é sinônimo de falta, pobreza, miséria, inevitável…
  • De diferentes referências , necessidade é o que nos movimenta, tudo o que realizamos é motivado por algum tipo de necessidade que queremos atender.

Mas, por que falar de necessidade?

Observei na minha prática que com muita frequência confundimos necessidades com estratégias, e que a consciência de que são muito diferentes transforma a forma como nos comportamos.

Você já se pegou pensando:
– Preciso entregar tudo hoje ou perderei esta oportunidade.
– Se não conseguir este emprego serei um fracassado.
– Sem esta pessoa não poderei ser feliz.

Observe como estes pensamentos nos levam a acreditar que nossas necessidades são de entregar tudo, conseguir aquele emprego, ou viver com aquela pessoa… Porém, estas são estratégias. Elas dependem de ações específicas, de lugares ou de pessoas. Elas retratam a forma que identificamos para atender nossas necessidades.

É comum ficarmos focados nestas estratégias, e por vezes elas são tão importantes na nossa vida que as confundimos com necessidades, e nos tornamos dependentes emocionais das ações, das pessoas ou dos lugares. E se insistimos nelas, se as tratamos como necessidade, entramos em conflitos conosco, ou com o que, ou quem está no nosso caminho.

Armamos uma grande bomba, reforçando nossas crenças, e é só uma questão de tempo para chegarmos aos limites do stress ou ao burn out.

Uma necessidade tem uma grande qualidade energética, ela nos mobiliza para a ação, ela é a expressão da energia da vida.

A forma de atuação da nossa mente afeta diretamente esta energia e o nosso comportamento.

Uma mentalidade de escassez nos coloca em uma busca ávida por atender as coisas a qualquer custo, atuamos a partir do medo e vivemos um ciclo vicioso de exclusão, competição, falta e esgotamento mental. Esta tem sido predominantemente a mentalidade através da qual temos atuado em diversas áreas em nossa sociedade.

Uma mentalidade de abundância favorece o poder criativo, compassivo, e o acesso a recursos internos disponíveis e capazes de modificar uma situação. Se atuamos a partir dela começamos a despertar para o fato de que nossas necessidades podem ser atendidas de muitas formas diferentes e que atender nossa necessidade não está em risco.

O que é então perceber nossos sentimentos com uma mentalidade de abundância?

Primeiro é explorar as necessidades que estes sentimentos revelam, as necessidades mudam, não existe verdade única todo tempo, o contexto e o momento presente trazem as possibilidades.

Depois é se abrir para o fato que atender nossas necessidades é uma escolha, para a qual temos muitas estratégias disponíveis que podem começar com uma revelação autentica do que precisamos e sentimos, passar por uma exploração de recursos internos e externos, “pensar fora da caixa”, ou aceitar sinceramente que neste momento e contexto ela não pode ser atendida, ou que a estratégia precisa ser abandonada.

Esta consciência mudou muito meu trabalho e minha visão sobre mim mesma e espero que seja uma semente para que você vá em busca de entender melhor a si mesmo, e de colocar mais leveza no seu caminhar.

Conte comigo!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: