O tempo é abundante

O tempo é abundante

Claudia Miranda Gonçalves

21 de março de 2017 | 09h30

Independente de como funciona a sua rotina, seja você um executivo, mãe e esposa, professor, consultor, empreendedor, universitário, ou qualquer outra coisa, uma das reclamações mais constantes é “Não tenho tempo pra nada”.

 

Ao nosso redor foi criada uma cultura de impaciência, urgência e atraso. Tudo é pra ontem, tudo é pra agora, tudo é pra já. Se você não está com o celular na mão, respondendo um e-mail ou ao telefone, aos olhos do mundo você está ocioso.

 

Nossa vida passou a se regular pela dinâmica da rapidez em que as coisas acontecem, em uma era de informação transmitida pela internet, documentos entregues em 24 horas do outro lado do mundo e contratos com assinaturas digitais. Apenas uma coisa ficou fora desta adaptação, a nossa capacidade como humanos em realizar coisas com a mesma velocidade que os novos recursos do mundo atual. É por isso que hoje as pessoas trabalham muito mais horas, aliás é por isso que hoje, mesmo após chegar em casa, as pessoas continuam trabalhando. Outro dia, escutei uma sábia pessoa dizer:

 

“Se você acha que algum dia terá tempo para fazer tudo que você deseja, você está muito enganado. Nós não possuímos o tempo, nós precisamos cria-lo”.

 

Comecei a calcular o meu dia e pensar em termos numéricos, e considerar a criação do tempo versus a possessão do mesmo. Cheguei à conclusão que não era possível adicionar mais coisas ao meu dia ou fazê-lo mais produtivo, com as mesmas horas de trabalho. Foi então que notei duas variáveis distintas: A primeira seria como eu me relaciono com o tempo, e a segunda o que eu priorizo no meu dia.

 

Muitas vezes eu acordava pensando “Não terei tempo para realizar tudo que gostaria hoje”, e isso normalmente acarretava na exclusão das minhas atividades de bem-estar, academia, tempo com as amigas, com o marido, a leitura de um bom livro, ou até o desenvolvimento de novo projeto profissional. Essa concepção também fazia com que eu me distraísse muito facilmente, “Se não consigo atingir meus objetivos do dia, posso então passar 15 minutos nas redes sociais”. Vocês podem imaginar a produtividade deste dia, certo? Notei também como eu priorizava as minhas atividades, assim que aparecia um novo e-mail eu parava o que estava fazendo para responder, a mesma coisa com o Whatsapp, o Facebook, o Instagram, e assim por diante. A minha disponibilidade estava sempre “conectada” ao invés de alinhada com a definição de urgente e importante.

 

Fiz uma reeducação mental com a minha coach, minha relação com o tempo hoje é de abundância, ele existe ao nosso redor como o ar, só é preciso nos apropriarmos dele, ao invés do oposto. Cada um precisa encontrar onde estão seus próprios gaps em estabelecer uma rotina saudável, completa e produtiva. Para mim uma das tarefas foi desligar as notificações de e-mails e aplicativos, hoje disponibilizo 45 minutos ao longo do dia para responder a tudo, e minha produtividade não só aumentou, como me fez entender que a urgência, impaciência e frenesi do mundo não me pertence.

 

Como sua vida mudaria se você tivesse todo o tempo? Quem você seria se tivesse esse tempo disponível? O que você precisa estabelecer na sua vida para criar tempo?

A criação do tempo é mais do que uma nova maneira de agir, é uma nova maneira de ser.

 

Livia Zillo

Coach, Consultora de MBA, Mestrado e PhD, e sócia na IKIGAI. Dez anos de experiência acadêmica com Mestrado e Doutorado em Ciências, Masters em Gestão de Projetos e formada em Coaching Ontológico e Liderança pela Accomplishment Coaching. Expert em linguagem corporal e treinamento para entrevistas de MBA. Trabalha com coaching de carreira, de vida e executivo, e atende carta de clientes nacional e internacional. Conectada à toda forma de vida, tem como propósito o Esclarecimento, e segue buscando contribuir diariamente para a realização de sonhos e objetivos pessoais e de seus clientes.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.