Pistas para um futuro mais humano

Pistas para um futuro mais humano

Claudia Miranda Gonçalves

22 de fevereiro de 2022 | 18h14

Veja lá, se você também se sente como os participantes dessa pesquisa realizada pelo MIT Sloan Business School em 2019, antes da pandemia:

  • 65% dos colaboradores não se sentindo engajados com seu trabalho e organização 
  • 76% dos executivos relatam dificuldades em se conectar com seus colegas de trabalho 
  • 58% dos executivos sentem que seus relacionamentos sociais no trabalho são superficiais quando muito  
  • 49% dos líderes se comprometiam e honravam as expectativas organizacionais 
  • 80% das equipes eram vistas como medíocres

Os dados são americanos, mas com alguns ajustes podem bem refletir a percepção em outras partes do mundo já há alguns anos. Olhando esses números, burnout, depressão e ansiedade como resultados dessa desconexão que permeiam as organizações não surpreendem. São respostas de sobrevivência ao que já vinha funcionando mal e com a pandemia piorou muito. 

Em outro contexto bastante diferente do descrito acima, uma conversa que envolvia ano sabático, bebês, e incluir mais amor nos negócios me ajudou a juntar algumas peças que ainda vinham soltas no meu quebra-cabeças mental. 

Conversando com Nadège Hacq, hoje amiga que já foi cliente e que fez um sabático que mudou sua vida (Sabático: loucura ou coragem?),  e foi para a França, seu país natal, onde depois de testar e experimentar, empreendeu. Em uma conversa empolgante, Nadège me contou como está contribuindo na formação e  participando de comunidades que trabalham em redes, trazendo temas importantes sobre ESG para a mesa de negócios. Resgatando a humanidade, o coração e o propósito: resgatando o sentido dos negócios como sustentação de nossas vidas. Como será que poderíamos trazer um pouco mais desse senso de comunidade para dentro da empresa? 

Comecemos com algumas perguntas para trazer mais inspiração:

Que tipo de comunidade somos?  

A empresa consegue responder o que a faz vibrar, o que lhe dá sentido?

Quais valores e forças tecem suas relações? 

O que lhe dá vida?

A empresa é uma comunidade com um propósito e objetivos específicos. Mas, e o que mais é necessário para que a empresa seja uma comunidade vibrante que vá além de seu produto ou serviço?  E isso todos sabemos – e é o que sempre sustenta as comunidades: tecer relacionamentos, confiança, ser projeto para a comunidade para o longo prazo. 

Podemos automatizar produção, criar processos sofisticados, inventar tecnologias que fazem nossos sonhos mais futuristas acontecerem, mas a base continua sendo nossa humanidade compartilhada.

Tudo o que sabemos sobre:

engajamentoconexãohumanização

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.