Como vai a saúde de suas perguntas?

Como vai a saúde de suas perguntas?

Claudia Miranda Gonçalves

11 de janeiro de 2021 | 09h30

Em dezembro de 2020, recebi um convite para falar  com o time de RH de uma empresa em sua festa de final de ano virtual. Falei um pouquinho sobre visão sistêmica, compartilhei mais um pouco sobre minhas experiências  enquanto consultora de desenvolvimento de pessoas durante a pandemia e abri espaço para suas perguntas. A certa altura notei que diversas perguntas gravitavam para aquilo que já conheciam. Como manter, como voltar…

Então desafiei: Será que vocês estão fazendo as perguntas certas? Essas perguntas geram respostas ou ansiedade? Que perguntas vocês NÃO estão fazendo? Onde estão evitando mexer? Por que?

O efeito foi incrível, pois realmente começamos a conversar sobre o que não sabíamos e a desafiar nossas certezas.

E você?

  • As respostas às suas perguntas têm sido suficientes?
  • Qual pergunta mais lhe ajudaria agora?
  • Já dá para começar tudo de novo com ela?

O objetivo é perceber o potencial criativo e transformador de uma pergunta. Deixe de lado  o certo, o único, o mais fácil. Responder perguntando, instiga, transforma e abre espaço para o novo. Por isso é importante refletir sobre a qualidade das perguntas que você tem feito a si mesmo e aos outros. 

Se suas perguntas servem para manter aquilo que você já conhece e sabe, talvez esteja perdendo oportunidades de explorar novos territórios. Quão abertas (mesmo) têm sido suas perguntas? Quão aberto você está para perguntas sem respostas?

Para experimentar um pouco a potência das perguntas abertas – aquelas para as quais não temos as respostas de imediato – repito aqui as 50 perguntas que fazem muito sentido para mim e para o meu trabalho e que publiquei no post https://economia.estadao.com.br/blogs/lentes-de-decisao/perguntar-e-a-melhor-resposta/. Elas estão divididas por “temas” que ora conversam diretamente com você, ora dialogam com o mundo corporativo.

Espero que você seja fisgado por algumas perguntas aqui.

10 Perguntas para uma reunião “diferente”:

  • O que a nossa empresa ainda não sabe fazer?
  • Em qual projeto você gostaria de estar trabalhando daqui a dez anos?
  • Quem pensa diferente de você aqui na nossa equipe?
  • O que você aprendeu com ele/ela?
  • Como você veio trabalhar hoje?
  • Haveria outro jeito de chegar aqui hoje?
  • Qual é a palavra mais detestável do nosso vocabulário corporativo?
  • O que você gostaria de estar fazendo agora?
  • Que pergunta você sempre quis me fazer e nunca teve coragem suficiente?
  • Qual pergunta resume esse nosso encontro de hoje?

 

10 perguntas para uma “reunião” com você mesmo:

  • Qual é a sua definição de sucesso?
  • Qual é a diferença que você gostaria de fazer no mundo?
  • Qual é o legado que você gostaria de deixar para o mundo?
  • Quais são as outras “respostas corretas”?
  • Quais são os três principais valores que formaram as suas raízes?
  • O que ser autêntico significa para você?
  • Como você reconhece que está sendo autêntico?
  • O que traz um senso genuíno de alegria para a sua vida?
  • O universo é hostil ou amigável? Se hostil, como você poderia notar presenças mais amigáveis e colaborativas?
  • O que o faz se sentir grato neste exato momento?

 

10 perguntas para “olhar para os lados”:

  • Qual é a sua relação com a hierarquia?
  • Como você está alavancando a colaboração e a inteligência coletiva?
  • De que lugares esquecidos/não-descobertos da sua organização você pode buscar inputs?
  • Como você está ampliando conexões, forças, diversidade e reduzindo comparações, julgamentos e críticas?
  • Você está escutando a partir da sua cabeça, do seu coração ou está usando a sua intuição?
  • O que a sua intuição diz sobre a principal conversa de hoje?
  • Quais as principais conversas que você precisa ter?
  • Como você está ajudando a trazer o “instinto de fazedor” para o seu time e para a sua organização como um todo?
  • Como você poderia acelerar a inovação e a experimentação?
  • Que oportunidades de transformação pessoal você está oferendo para a sua organização nesse momento?

 

10 perguntas para “pensar além”.

  • Quem se beneficia com o seu propósito?
  • Quais são as oportunidades para se criar parcerias potenciais com seus competidores ao redor de um propósito comum?
  • Qual valor pode ser criado ao inovar com o seu círculo mais amplo de stakeholders?
  • Quem se beneficia quando sua organização vai bem?
  • Que padrões (relevantes para a sua organização) você vê acontecendo nas sociedades?
  • Como você pode testar a dinâmica entre o formato que você quer dar para sua organização e o formato que ela quer ter?
  • O que a sua organização está falando para você nesse momento?
  • Como você pode testar/aplicar isso?
  • Que oportunidades você pode criar hoje?
  • Que diferença você pode fazer?

 

10 perguntas sobre o “futuro”.

  • Quanto do que você está criando para sua organização está somando para o bem-estar da sociedade?
  • E como estará “essa soma” daqui a uma década?
  • E em 100 anos?
  • E em 1.000 anos?
  • Qual é a sua visão sobre crescimento?
  • Ela é suficiente?
  • Quanta responsabilidade você está tomando sobre os efeitos de ponta a ponta na sua cadeia de supply?
  • Como é um sistema saudável para você?
  • Quais são os principais indicadores (em relação ao seu negócio) que ajudam você a se assegurar que ele contribui positivamente para vida em geral?
  • Qual é o seu sentimento em relação ao futuro?

 

Se encontrou novos caminhos respondendo a alguma pergunta aqui, sensacional!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: