Você está diante de um conflito ou de uma tensão criativa?

Você está diante de um conflito ou de uma tensão criativa?

Claudia Miranda Gonçalves

19 de novembro de 2019 | 10h00

Gotejar de Água | Conflito ou Tensão?

Por Andrea Nery

 

Tensão é um aspecto saudável da relação que vale a pena. A tensão afinal, surge da divergência e é sinal da necessidade de transformação.

O problema é quando estamos diante da tensão e a chamamos de conflito.

E quando pensamos em conflito, lembramos de algo impactante e potencialmente perigoso. Na sociedade, os conflitos se transformam em um acontecimento significativo.

Em particular, em nossa cultura, aprendemos desde cedo que conflitos não são bons e o associamos a enfrentamentos diretos e assertivos; os conflitos são evitados em nome da manutenção de uma relação pois são tratados no nível pessoal.

Não é por acaso que em empresas multinacionais, cuja cultura é menos relacional, encontramos com mais frequência, profissionais com dificuldades de alinhamento, encarando uma tensão como conflito.

Me lembro de duas situações que podem servir como reflexão:

– Uma equipe de trabalho relatou que precisava identificar uma forma, mais eficiente, de entregar as informações geradas pela área. Porém, o resultado do processo para gerar novas ideias levou a melhorias, não gerou eficiência, e não houve inovação. Em uma  avaliação junto ao time eles entenderam que estavam assentindo, e evitando defender ideias disruptivas por receio de gerar conflito entre os participantes.

–  Um gestor me procurou com dificuldades de realizar feedback com sua equipe. Ao trabalharmos o tema ele mencionou o receio de gerar um conflito ao realizar o feedback, o que na sua visão seria “pior” para a performance do funcionário, e de sua imagem como gestor. 

Nos dois casos, entendo que temos uma confusão. Ao enfrentar e defender de maneira clara o seu posicionamento haveria um benefício para todas as partes envolvidas e a dificuldade de se colocar nestas situações e dar um olhar de embate para elas, tem reflexo direto na qualidade de entrega de uma empresa.

Quando falamos de inovação, criação ou, quando falamos de viver democraticamente passamos pelo tema de diversidade: de aceitar as diferentes opções, opiniões e o surgimento das ideias.

Este espaço da diversidade requer que as pessoas se manifestem de forma autêntica e tragam sua realidade para o contexto.

Encarar a realidade do outro é questionar a sua realidade e se abrir para construção de algo inclusivo, porém tenso pelo simples fato do desconhecido.

Isso não é ruim! Isso não significa um perigo que anuncia a chegada da violência.

A violência é o resultado de um desequilíbrio das forças. Para fazer as pazes com esta situação é preciso dar espaço ao entendimento da intenção mais profunda que existe no outro, é preciso se colocar em um lugar de não julgamento, e entrar em contato com o propósito ao qual você está servindo.

A aversão a este estado é que é perigosa para as necessidades emergentes destes novos tempos: precisamos sair de posições mecânicas e processuais, que podem ser desempenhadas por Inteligência Artificial, e nos colocarmos no espaço do humano que tem empatia, se conecta com as necessidades e cria.

Ao encararmos de frente a tensão criativa temos a possibilidade de deixar emergir o benefício da diversidade.

Se seguirmos defendendo um ambiente de diversidade, mas não trabalharmos para dar um novo significado ao “conflito” corremos o risco de seguir com soluções únicas, com posicionamentos totalitários.

No seu dia a dia você consegue diferenciar o conflito da tensão criativa?

Você é capaz de observar com outras lentes os aspectos que o levam a negação da situação?

O que você precisa fazer para encarar os desafios e usar o potencial positivo das situações de divergência?

 

Tendências: