Você sabe vender seu peixe?

Você sabe vender seu peixe?

Claudia Miranda Gonçalves

05 Novembro 2018 | 08h42


Por Flávia Ferrari
Acabei de colocar meus pés em Lisboa para participar do WebSummit, o maior fórum mundial sobre negócios digitais. Estou aqui como mídia, parte graças à essas linhas que compartilhamos mensalmente aqui no Lentes de Decisão.
Nesta semana farei uma cobertura especial, com muito mais conteúdo programado para dividir notícias quentinhas sobre empreendedorismo digital.
E como já cheguei chegando, a primeira conversa sobre isso aconteceu no avião. Meu colega de poltrona, o Fabio, é um investidor anjo. E ele havia comentado comigo sobre a quantidade de mensagens que recebeu via o aplicativo do WebSummit de pessoas querendo marcar reuniões com ele para apresentar projetos e ver se receberiam um investimento para alavancar suas start-ups.
É, a vida é assim mesmo.
Receber (ou não) um investimento pode decretar ou não a sobrevivência de uma ideia ou empresa. Obviamente que um investidor analisa números e possibilidades com o devido cuidado e olho clínico (sim, esta é a especialidade dele), mas antes que ele chegue até este ponto você deve entregar a ideia de negócio, vender seu peixe de uma forma adequada para que a tal desejada análise realmente aconteça.
E esta parte é sua.
Não existe a tão sonhada análise e muito menos a tão esperada alavancagem caso o projeto não chegue até os olhos e ouvidos do seu potencial investidor.
Nessa hora é necessária uma estratégia de venda e divulgação tão (ou mais detalhada) do que aquela o empreendedor já desenhou para seu cliente final. Temos clientes em vários níveis e esferas, um verdadeiro cardume de clientes com necessidades e objetivos distintos.
Resumindo, não basta vender o seu peixe somente para seu consumidor final, é preciso ter os olhos abertos para comunicar-se devidamente com cada ator do processo.
Vender seu peixe corretamente para todos os interlocutores é extremamente importante para sua ideia empreendedora não morrer na praia.