Dependente, Dilma faz primeiro gesto ao Congresso

Dependente, Dilma faz primeiro gesto ao Congresso

Presidente dá passo para buscar estabilidade no Legislativo a fim de debelar as crises política e econômica. Desafio é grande

Ricardo Brito e Adriana Fernandes

02 Fevereiro 2016 | 15h45

(Dilma Rousseff na posse em 2011/Ed Ferreira/Estadão)

(Dilma Rousseff na posse em 2011/Ed Ferreira/Estadão)

A presidente Dilma Rousseff decidiu fazer, nesta tarde, o primeiro gesto concreto de que deseja buscar uma mínima estabilidade na relação com os parlamentares, ao comparecer à sessão solene de abertura dos trabalhos do Congresso. Até mesmo aqueles que nunca foram dilmistas de carteirinha – e que, diante do agravamento das crises política e econômica, não tinham motivos para se tornar – elogiaram a iniciativa da presidente.

Dilma terá uma série de desafios pela frente. Na seara política, a petista vai tentar barrar, já na Câmara, uma eventual abertura do processo de impeachment. Mesmo com uma melhor relação com os deputados, a presidente tem como principais fatores adversos o cerco das investigações contra seu mentor político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o agravamento da crise econômica, com o aumento do desemprego e da inflação.

Nesse ínterim, há a disputa pela liderança do PMDB da Câmara, a maior bancada da Casa que pode ser decisiva para qual lado o “vento” do afastamento da presidente pode soprar. E a definição se o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desafeto de Dilma, permanecerá à frente da Casa, em meio ao atual cenário.

Para buscar o equilíbrio fiscal e orçamentário em 2016, após gigantescos rombos em 2014 e 2015, o governo acena com impopulares medidas econômicas, como o aumento de imposto via retomada da CPMF e mudança de direitos, com efeitos no longo prazo, como a reforma da Previdência. Por ora, o Congresso resiste a tais medidas – inclusive os petistas.

Ao mesmo tempo, pretende retomar os investimentos para tentar não bater uma nova marca, a de dois anos consecutivos em recessão – especialistas e os próprios empresários dizem que é preciso mais do que o pacote de R$ 83 bilhões lançado da reunião do Conselhão na semana passada – boa parte dos quais com recursos do FGTS -, para alcançar tal tarefa.

A desconfiança do setor produtivo com o governo é grande – e a queda da produção industrial ano passado, de 8,3%, a maior em 13 anos, segundo o IBGE – é um número que fala por si só.

Dependente, Dilma deu o primeiro passo. Entre o discurso e o convencimento, muitos ainda precisam ser dados.

Escreva para nós: lupa@estadao.com