Levy coloca cabeça a prêmio

Levy coloca cabeça a prêmio

Ministro da Fazenda mantém posição inflexível ao defender meta fiscal de 0,7% do PIB para 2016 e coloca seu futuro no governo atrelado à decisão do Congresso

Adriana Fernandes e Ricardo Brito

15 de dezembro de 2015 | 15h11

Joaquim Levy e Renan Calheiros (André Dusek/Estadão)

Joaquim Levy e Renan Calheiros (André Dusek/Estadão)

Por teimosia, convicção ou conveniência política, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, praticamente fechou as portas de negociação ao elevar, hoje pela manhã, o tom da sua contrariedade à mudança na meta fiscal de 2016.

Com o Congresso sob tensão após a ação de busca e apreensão da Polícia Federal – na casa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e em dependências de aliados do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – a declaração do ministro de que “não fica em pé” a possibilidade de redução da meta para preservar de cortes o programa Bolsa Família alimenta o estresse.

E tudo isso ocorre às vésperas da votação do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do próximo ano e de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o rito do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O ministro se mostra inflexível em relação à necessidade de manutenção da meta de superávit de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) – compromisso assumido com ele pela presidente Dilma – e de alguma forma coloca seu futuro nas mãos dos parlamentares que vão votar o projeto da LDO em plenário ainda nesta semana.

Afinal, na semana passada, Levy avisou a representantes da Comissão Mista de Orçamento (CMO) que não fica no governo se a meta for zerada, conforme revelou o Estado.

A presidente – que de fato quer mais flexibilidade para tocar o Orçamento em 2016 – busca uma saída para administrar o embate interno com Levy e a pressão por mudança da meta que vem também do Congresso.

Uma costura pode ser feita com o retorno da possibilidade de abatimento de despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), matéria que já havia sido vencida e que o titular da Fazenda também não topa. Em contrapartida, a equipe técnica avalia espaço de novos cortes nas despesas, de última hora, para serem incluídos no projeto de Orçamento.

A pergunta agora é o que acontecerá com o ministro se ele perder mais essa.

Escreva para nós: lupa@estadao.com