Renan usa pautas econômicas como biombo contra investigações

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Renan usa pautas econômicas como biombo contra investigações

Tática de tentar votar propostas como a da independência do Banco Central e a que muda a exploração no pré-sal retira o presidente do Senado do foco das acusações

Ricardo Brito e Adriana Fernandes

10 de fevereiro de 2016 | 14h41

(Renan Calheiros/Andre Dusek-Estadão)

(Renan Calheiros/Andre Dusek-Estadão)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), voltou a usar as pautas econômicas como biombo para se afastar do avanço de investigações que o envolvem diretamente. A tática foi colocada em prática no retorno do recesso parlamentar, na semana passada, quando ele anunciou ter eleito como prioridade de 2016 as propostas de desobrigar a Petrobras de ser a operadora única na exploração da camada do pré-sal e que dá independência para a escolha do presidente e dos diretores do Banco Central (BC).

Coincidentemente, Renan foi acossado durante a pausa dos trabalhos legislativos por revelações da Operação Lava Jato, do qual é alvo de seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), e mais recentemente com a possibilidade de virar réu na mesma Corte por peculato (desvio de dinheiro público), falsidade ideológica e uso de documento falso no escândalo de 2007, em que é acusado de ter recebido propina da Mendes Junior para pagar despesas pessoais em troca de emendas parlamentares para a empreiteira.

Um senador da base aliada que acompanha as movimentações do peemedebista disse que, ao se adiantar propondo a votação dessas duas pautas, Renan tenta fazer um aceno ao mercado financeiro e ao mesmo tempo garantir a simpatia dos partidos de oposição – que reconhece a destreza dele em incluir as pautas dos adversários do Palácio do Planalto.

Por outro lado, avalia o senador, a despeito das pautas econômicas, não há sinal entre os partidos governistas – em especial do PT – de que haverá um pedido de saída do presidente do Senado ao menos por ora. Afinal, ele se tornou o principal aliado do governo no Congresso e há muitos iguais a ele, envolvidos na Lava Jato na Casa. Diante de pautas delicadas, o governo precisa sempre tê-lo por perto para conversar.

Em uma parada sexta-feira de novembro de 2013, Renan usou a tribuna do Senado e, já como presidente, anunciou ser a favor do projeto que concede autonomia legal ao BC. Uma semana depois foi recebido no Planalto pela presidente Dilma Rousseff e disse não ter tratado do assunto com ela. A fala de Renan serviu para ele se recolocar no xadrez político – queria emplacar o filho candidato, Renanzinho, ao governo alagoano com o apoio do PT.

Em março passado, logo após o STF ter aberto o primeiro inquérito contra ele na Lava Jato, o presidente do Senado voltou a sugerir a independência do BC ao então ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Um aliado dele, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), até apresentou uma nova proposta de emenda à Constituição com esse objetivo no mês seguinte – e que não andou na Casa.

Em agosto, ao mesmo tempo em que aumentavam as citações a ele na operação policial, ele propôs a chamada Agenda Brasil, um pacote de medidas legislativas para tirar o País da crise. Dilma se ancorou nele e na agenda, quase nada das ações foi adiante. E ele seguiu em frente.

Questionado diretamente sobre as acusações, Renan responde sempre ter prestado todos os esclarecimentos e estar à disposição da Justiça. Perguntado se fica no cargo mesmo se virar réu – afinal ele é o quarto na linha de sucessão presidencial -, ele se calou por duas vezes na semana passada.

A tática política com a pauta econômica – cuja discussão é legítima, diga-se – tem dado certo. Mas um dia o acerto de contas com a Justiça chegará.

Escreva para nós: lupa@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: