Brasileiro troca a comodidade do mercadinho pelo preço do supermercado

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiro troca a comodidade do mercadinho pelo preço do supermercado

Márcia De Chiara

28 de janeiro de 2016 | 05h00

varejo1

O brasileiro que adquiriu no ano passado alimentos e produtos de higiene e limpeza nos grandes supermercados conseguiu economizar alguns trocados em relação ao consumidor que optou pela comodidade e foi às compras nos pequenos mercadinhos de vizinhança.

Uma pesquisa feita pela consultoria internacional GFK em 741 mercadinhos de vizinhança e 324 lojas de supermercados localizadas nas mesmas cidades em cinco regiões do País mostra que, em 2015, os preços subiram nos dois tipos de estabelecimentos, mas num ritmo menor nas grandes lojas.

Para uma cesta de 35 categorias, entre alimentos, bebidas e itens de higiene e limpeza, só de marcas líderes e do mesmo produto identificado pelo código de barras, os preços nas lojas com mais de dez caixas registradoras subiram 8,9% em 2015 ante 2014. No mesmo período, a alta do valor médio dessa mesma cesta nos mercadinhos foi de 9,1%.

“É uma pequena economia, mas, neste momento, qualquer R$ 5 é alguma coisa e o consumidor que foi às compras nas grandes lojas saiu ganhando”, diz Marco Lima, diretor da GFK e responsável pela pesquisa.

O estudo mostra diferenças significativas de reajustes de preços quando se compara as grandes com as pequenas lojas. Um exemplo que chama a atenção é o arroz, que subiu 3,9%, em média, nos mercadinhos em 2015 em relação a 2014, enquanto nas grandes lojas houve um recuo de 1,9% no mesmo período. A história se repete – não no terreno deflacionário – com outros produtos. O preço do biscoito Cream Cracker, por exemplo, foi majorado em 14,2% no pequeno varejo em 2015 e no grande subiu 4,4%. O desinfetante teve alta de 17,5% nos mercadinhos e subiu 9,4% nos grandes supermercados.

 

artecortadamercadinho

Deflação. A pesquisa mostra que, dos 35 itens aferidos, em 18 os preços subiram mais no pequeno varejo em relação às grandes lojas. Também nos grandes estabelecimentos houve um número maior de produtos com deflação: quatro nos supermercados em 2015, ante dois em mercadinhos (farinha de mandioca e margarina).

Segundo Lima, o grande varejo conseguiu segurar um pouco mais o repasse da inflação porque negociou grandes volumes com os fornecedores. Já o pequeno varejo, que compra quantidades menores, perdeu a competitividade.

gabriellecortada

Gabrielle de Brito Cardoso trocou o mercadinho pelo hipermercado (Helvio Romero/Estadão)

A combinação de inflação em alta com recessão fez, por exemplo, a analista de eventos Gabrielle de Brito Cardoso, de 28 anos, trocar a conveniência por preço baixo na hora de comprar alimentos, bebidas e itens de higiene e limpeza. Tempos atrás, ela fazia a compra do mês no mercado perto de casa, que tem quatro caixas registradoras e que entregava a compra sem custo extra. Hoje, ela vai ao hipermercado.

Pela despesa do mês, consumida por ela, o marido, a mãe e o irmão, Gabrielle gasta entre R$ 450 e R$ 500. Neste valor não estão incluídos legumes, verduras, frutas e carne. “Fazendo a compra no hipermercado, mantive o gasto, mas aumentei a quantidade de produtos.”

Para a analista de eventos, como os hipermercados têm uma variedade maior de produtos e pelo fato de oferecerem mais promoções, é possível fazer o dinheiro “render” mais. Há muita promoção de óleo, leite e arroz nos hipermercados, exemplifica.
“Com a inflação em alta, as coisas estão caras em todos os lugares, mas a gente sempre vai em busca de uma promoção.”  Agora, Gabrielle só vai ao mercadinho para compras eventuais, quando falta algum item em casa. “É só para comprinhas e de vez em quando”, explica.

A cabeleireira Marta Arias, de 53 anos, separada e mãe de dois filhos, é outra consumidora que trocou o mercadinho da vizinhança pelos grandes supermercados. “Tudo está um absurdo, mas os mercados maiores fazem promoções, especialmente de quantidades, que valem a pena.”

Atacarejo. Quanto ao atacarejo, a loja que mistura atacado com varejo com a proposta de vender um volume maior por preço menor, Gabrielle diz que nunca fez compras nesse tipo de loja. Apesar de ela ainda não ter experimentado fazer compras no atacarejo, a Nielsen, consultoria especializada em varejo, acompanhou o comportamento dos preços nos supermercados e nesse formato de loja.

De acordo com uma comparação feita pela consultoria, na qual foram avaliados cerca de 10 mil itens, 80% deles têm preços mais em conta no atacarejo quando comparado com os mesmos produtos vendidos em hipermercados e supermercados. Jonathas Rosa, analista da consultoria e responsável pela pesquisa, conta que, para esses itens, os atacarejos têm preços entre 15% e 20% menores em relação às lojas de super e hipermercado.

“Essa é a atratividade do atacarejo. Ele já tinha antes, só que agora, com a situação econômica ruim, está ocorrendo uma procura maior pelo atacarejo”, avalia Rosa. O consultor relata que o atacarejo está atraindo mais consumidores. Hoje, 39% dos lares do País são abastecidos nesse tipo de loja. Só em 2015 foram 3 milhões de domicílios que passaram a fazer compras no atacarejo. Três anos atrás, a fatia era de 25%

Pequenos fecham. A mudança forçada de hábito do consumidor de abrir mão da conveniência em busca de preço baixo, trocando a loja da esquina pelo grande supermercado e pelo atacarejo, já respinga no desempenho dos mercadinhos de vizinhança.

“Hoje, o consumidor está sem dinheiro e vai nos grandes supermercados em busca de oferta, porque os pequenos têm dificuldade para competir em preço”, diz Álvaro Furtado, presidente do Sincovaga. O sindicato reúne 45 mil estabelecimentos comerciais que vendem alimentos e itens de higiene e limpeza no Estado de São Paulo. Destes, 36 mil têm até três caixas registradoras.

Furtado diz que ainda não tem os números de quantos estabelecimentos fecharam as portas no ano passado, porque o processo para encerrar a atividade demora algum tempo. Mas confirma que os mercadinhos enfrentam dificuldade porque não conseguem ter preços competitivos como os grandes. “O número é grande daqueles que encerraram atividade, mas ainda não tenho esses dados.”

A dificuldade enfrentada pelo setor aparece em relatos informais de pequenos empresários que entram em contato com o Sincovaga para informar que não têm condições de pagar a mensalidade da entidade.

Segundo o presidente do Sincovaga, os pequenos mercadinhos estão sendo afetados por todos os concorrentes, tanto os hipermercados e os supermercados, como pelo atacarejo, que é uma mistura de atacado com varejo.

Recorde. Um estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostra que a crise no consumo provocou um fechamento de lojas inédito no varejo em geral no ano passado. Em 12 meses até outubro, diminuiu 9,1% o número de estabelecimentos comerciais do comércio varejista como um todo com vínculo empregatício, um recorde de baixa.

Das 64,5 mil lojas que fecharam as portas em 12 meses até outubro, o segmento de supermercados e hipermercados foi responsável pela maior fatia: 32,6%, ou 15,5 mil pontos de venda deixaram de funcionar. Na sequência dos setores mais afetados estão as lojas de artigos de vestuário (9,7 mil) e de materiais de construção (9,5 mil).

Segundo a economista da CNC, Izis Janote Ferreira, o estudo não permite identificar qual é a situação dos pequenos mercadinhos, porque o critério usado não combina o porte da empresa e o setor.No entanto, ela destaca que, levando-se em conta só o porte do estabelecimento, as microempresas estão entre as mais afetadas, logo atrás das médias.

De acordo com o estudo, as microempresas com empregados formais registraram uma redução de 9,5% no número de lojas em 12 meses até outubro do ano passado comparado com o mesmo período do ano anterior, atrás das companhias médias (-10,4%).

Tudo o que sabemos sobre:

Varejo Estadão; Varejo; consumo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: