Começa a temporada de renegociação de dívidas

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Começa a temporada de renegociação de dívidas

Márcia De Chiara

05 de novembro de 2015 | 05h00

varejo

O comércio varejista terá neste fim de ano um desafio extra para trazer o brasileiro de volta às compras em meio à recessão. Na temporada de feirões de renegociação de dívidas em atraso, que começou esta semana e vai até o fim do mês, o grande destaque é o aumento da inadimplência ligada às contas básicas, como água, luz, gás, comunicação e educação privada, serviços cujo consumo pode ser reduzido ou substituído, mas não evitado. Esse movimento é inverso ao que ocorria até pouco tempo, quando a inadimplência que mais crescia estava ligada à compra de bens de maior valor.

Em setembro deste ano, enquanto a inadimplência média do consumidor aumentou 6,63% em relação ao mesmo mês de 2014, o calote das contas de água e luz cresceu 12,55%, e de gastos com educação, 16,9%, segundo dados do SPC Brasil. No mesmo período, a inadimplência bancária subiu 10,32% e a das contas de celular, internet e TV a cabo, 4,17%. Nessa lista, o comércio varejista ficou na “lanterna”, com alta do calote de apenas 0,85% no período.
“Esse resultado da inadimplência revela que a compra de bens está caindo e que as pessoas estão com grande dificuldade para pagar todo tipo de conta”, afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

motivos-do-calote1O avanço da inadimplência de despesas compulsórias é confirmado também por duas empresas especializadas em informações financeiras do consumidor e que neste mês vão fazer feirões de renegociação de dívidas em atraso. Depois das despesas com alimentação, deixar de pagar as contas de água, energia elétrica e gás foi o principal motivo que levou o brasileiro à inadimplência este ano, com 15% das respostas, aponta a pesquisa do perfil do inadimplente da Boa Vista SCPC de setembro. No mesmo mês de 2014, esse motivo representava 13,1%.

Segundo a Serasa Experian, que calcula que existam hoje no País 57,2 milhões de inadimplentes, com uma dívida que soma R$ 246 bilhões, as contas de água, luz e telefonia juntas responderam em agosto por 32,5% da inadimplência total do consumidor – fatia que supera a participação do calote com bancos e cartões de crédito (29,40%), sempre apontados como os maiores vilões, e do varejo, com 13,2%.

Nas escolas particulares, o quadro não é diferente. O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo, Benjamin Ribeiro da Silva, observa que o aumento da inadimplência é visível nas escolas da cidade de São Paulo, a região mais afetada pela crise, em relação à média do Estado.

Em agosto, último dado disponível, o calote nas escolas da capital paulista foi de 11,6%, ante 7,8% um ano atrás. No Estado como um todo, a inadimplência média, que era de 7,33% em agosto de 2014, subiu para 8,21% no mesmo mês deste ano. “Apesar desse aumento, as escolas não estão perdendo aluno para a rede pública. O que há é uma migração de um colégio mais caro para outro mais barato”, explica Silva.

Gravidade. Para o economista da Boa Vista Serviços, Flávio Calife, em 2011 e 2012, no último ciclo de alta da inadimplência, o avanço do calote ocorreu porque houve uma tomada de crédito muito grande, ligada ao consumo de bens de maior valor. “Em 2012, ocorreu alta da inadimplência por causa do descontrole no consumo”, lembra.

Agora, apesar de os valores pendentes serem menores, porque se tratam de contas do dia a dia, a situação é mais grave, na opinião do economista. Isso porque a inadimplência está ocorrendo por causa de dificuldades na capacidade de pagamento de contas tidas como essenciais. Segundo Calife, os obstáculos para honrar os pagamentos em dia decorrem do aumento da inflação e do desemprego, que reduziram a renda real do trabalhador.

Pelo fato de as pendências terem aumentado nas contas básicas, que são de menor valor em relação a financiamentos de bens, o economista da Associação Comercial de São Paulo, Emílio Alfieri, diz que teoricamente seria mais fácil para o consumidor renegociar os débitos, usando os recursos do 13º salário para quitar os atrasos e voltar às compras.

Mas ele alerta que o cenário não é bem esse. O crédito mais restrito e caro e a desconfiança crescente do consumidor, especialmente  em relação à manutenção do  emprego, podem  agravar o cenário para as vendas do varejo neste fim de ano.

Fabio de Jesus Dias1

Fabio de Jesus Dias quer limpar o nome (Foto: Sergio Castro/Estadão)

Desemprego. O desemprego dificultou o pagamento em dia de contas básicas. O mecânico em refrigeração Fabio de Jesus Dias, de 34 anos, quer renegociar o pagamento de cerca de quatro contas atrasadas de luz que somam perto de R$ 500. “Vou tentar um desconto”, afirma.
Dias ficou inadimplente porque perdeu o emprego. Além disso, a conta subiu muito. “Gastava cerca de R$ 50 por mês de luz. Agora a conta foi para quase R$ 100, o dobro.”
O mecânico ficou desempregado por dois meses. Hoje ele conseguiu se recolocar e pretende liquidar todas as pendências, não apenas as contas de luz com a Eletropaulo, mas também a dívida com banco.
Também o desemprego embaralhou as finanças do estudante de administração Diogo Felix, de 22 anos. Ele trabalhava como operador de caixa de um supermercado e foi demitido por causa da crise. Com isso, deixou de pagar a mensalidade de R$ 360 da faculdade. Felix acaba de conseguir um novo emprego e vai tentar renegociar a dívida com a faculdade. “Mas vou ficar cauteloso nas compras de fim de ano.”

CALENDÁRIO DOS FEIRÕES DE RENEGOCIAÇÃO

Onde o consumidor pode renegociar as dívidas em atraso varejo, bancos e contas de serviços básicos

NOVEMBRO
De 3 a 7
Onde: Rio de Janeiro, Shopping Nova América, Avenida Pastor Martin Luther King Júnior, 126, Del Castilho
Horário: das 8h às 18h
Participantes: Bradesco Cartões, Bradescard, Cartões American Express, HSBC/Losango, Banco Pan, Recovery, Sky, Claro, Embratel, NET, FOZ 5 e lojas Leader
Quem promove: Serasa Experian
De 3 a 14
Onde: online. Acesse www.serasaconsumidor.com.br/superfeirao
Horário: 24h por dia
Participantes: Academia Olímpico, AES Eletropaulo, Ana Paula Aparecida Barbosa Moveis, Ativos Cartões, Banco Cetelem, Banco do Brasil, Banco Fiat S/A, Banco Itaú BBA S/A, Banco Itaucard, Banco Itauleasing S/A, Banco Pan, Cd Distribuidora De Produtos De Consumo Eireli, Centro Educacional De Piraporinha, CNA Vila Maria, Confecções Tucumã, Cp7 Studio Fotográfico Ltda, Credsystem, Deva Veículos, Ecapre Escola de Capacitação e Preparátorio, Farmácia Santana, Financeira Itaú Cbd S/A, Frei Caneca Materiais Para Construção, Gazin Atacado, Herval, Hipercard Adm Cartões Credito, Hipperfio Cabos Especiais Ltda, HSBC/Losango, Itaú, Itaú Unibanco Financeira S/A, Itaucred, Fundo de Renegociação de Débitos, Leader Card, Losango, Luizacred S/A, Mercado Móveis, Mfh Clinica Odontologica Ltda, Millena Souza Santos, Mz Imobiliária, Netion Soluções em Internet Via Rádio Ltda Me, Pernambucanas, Porto Seguro Cartões, Recovery, Renova, Sicredi, Supermercado Bahamas, Supermercados Cidade Canção, Unimarka Distribuidora, Vical, Vivo, Vox Populi Comercio De Papeis Ltda – Epp
Quem promove: Serasa Experian

De 3 a 30
Onde: São Paulo, Casas Bahia da Praça Ramos de Azevedo, 131, metrô República
Horário: das 9h às 20h
Participantes: Casas Bahia
Quem promove: Casas Bahia

De 4 de novembro a 12 de dezembro
Onde: online. Acesse www.acertandosuascontas.com.br
Horário: 24h por dia
Quem promove: Boa Vista SCPC

De 10 a 14
Onde: São Paulo, Memorial da América Latina, Praça das Sombras, ao lado do auditório Simon Bolivar, acesso pelo metrô Palmeiras-Barra Funda
Horário: das 9h às 17h
Participantes: AES Eletropaulo; Bradesco Cartões e Bradescard; Casas Bahia; Citibank; Claro; Comgás; Embratel; Natura; NET; Recovery; Santander e Santander Financiamentos; e Vivo
Quem promove: Boa Vista SCPC

De 24 a 28
Onde: São Paulo, Shopping Itaquera, avenida José Pinheiro Borges, s/n, na Zona Leste
Horário: das 8h às 18h
Participantes: como Bradesco Cartões, Bradescard, Cartões American Express, HSBC/Losango, Recovery, Banco Pan, Avista Cartões, Eletropaulo, Santander e Sky
Quem promove: Serasa Experian

Tudo o que sabemos sobre:

Varejo Estadão; Varejo; consumo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: