A Vale tem "onaldô"

Marili Ribeiro

04 de junho de 2009 | 11h55

Ronaldo na ChinaRonaldo campanha Africa

Um comitê do governo chinês tem que aprovar a peça publicitária que se pretende veicular nos meios de comunicação do país. Nada pode ferir os princípios do regime político que administra o vasto continente. Mas, antes disso, a peça tem que ser traduzida para o complexo idioma falado pelos chineses, repleto de ideogramas. Nenhuma dessas imposições intimida o gigante nacional da produção de minério, a companhia Vale. Tendo como garoto propaganda o “onaldô”, como os chineses chamam o atacante do Corinthians _ também adorado por lá _, a campanha terá sua segunda etapa, com comerciais em televisão. O filme gravado em um estádio de futebol paulista tem previsão de entrar no ar dia 15 de julho. Nele, Ronaldo fala sobre a atuação da Vale na China. Os cartazes em ônibus e bancas de jornal, que integram essa mesma campanha, já estão nas ruas. O investimento significativo da Vale em se tornar simpática aos olhos puxadinhos dos chineses se justifica porque, com o corte de produção em função da crise global, os ajustes de preços de minérios estão difíceis. No ano passado, a Vale encabeçou a iniciativa do aumento e o governo chinês não gostou. Agora, ela espera os concorrentes do ramo tomarem à frente. Enquanto isso, mostra que tem “onaldô”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.