Água engarrafada ganha mercado

Marili Ribeiro

17 de fevereiro de 2010 | 14h31

Nunca a água engarrafada vendeu tanto no Brasil. No Rio e em Porto Alegre, o consumo dobrou nos últimos três meses até janeiro. Na Região Nordeste, as vendas cresceram 30% no mesmo período. No Sudeste, o aumento foi de 25% e, no Norte, de 10%. O calor recorde deste verão é o responsável pela explosão do consumo. A demanda inflacionada, entretanto, não deverá resultar em falta de produto ou reajustes de preços.

“A indústria tem capacidade de abastecer com folga a demanda, porque a oferta vinha sendo duas vezes maior do que a procura”, diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais (Abinam), Carlos Alberto Lancia. “Nos últimos cinco anos, foram feitos pesados investimentos, que somam mais de R$ 200 milhões, na abertura de novas fontes e construção de fábricas. Só teremos problemas se, mais à frente, esse consumo excepcional se mantiver”, acrescenta.

Mas Lancia reconhece que já há movimentos de expansão do segmento se delineando. Um deles seria o lançamento, ainda este ano, pela Coca-Cola, de uma marca própria para atender o mercado nacional. Atualmente, a multinacional distribui apenas no Sudeste a marca Crystal, em sociedade com a franqueada Femsa. A Coca, desde que começou a perder consumidores para bebidas saudáveis, tem investido em alternativas à linha de refrigerantes. Consultada sobre a iniciativa, a empresa preferiu não se manifestar.

A Danone, embora seja a segunda maior produtora mundial do setor, estreou no mercado nacional no ano passado, com a marca Bonafont. E deve expandir sua iniciativa. “Eles começaram de forma experimental, com uma planta pequena. Mas, com a boa aceitação do produto, devem ampliar sua produção”, diz Lancia.

O maior problema da Danone será reverter a determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que suspendeu os anúncios da sua marca de água. A razão é a mensagem que associa o consumo do produto à diminuição do inchaço corporal. “No Brasil, a legislação veta propaganda que saliente os efeitos terapêuticos das águas, que são diferentes e têm características diversas”, explica Lancia. Na Europa e nos EUA, isso é permitido e natural, porque é considerado informação relevante.

Mais informações no Estado de hoje (“Água engarrafada ganha mercado“)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.