As listas do quase lá

Marili Ribeiro

19 de junho de 2011 | 17h23

O corre-corre em torno das shortlists, ou seja das primeiras peças publicitárias pré-classificadas pelos jurados de cada uma das 13 categorias em competição no festival Cannes Lions, não dura sequer um verão. Dessa primeira peneira sairão os vitoriosos.

“A gente fica feliz por apenas algumas horas. Não é nada, mas mexe com as emoções”, reconhece Hugo Rodrigues, vice-presidente da Publicis do Brasil, que tem um trabalho na lista de ações promocionais, ou Promo & Activations do Cannes Lions 2011. Ao todo, o Brasil garantiu nove peças nessa categoria.

O emaranhado de classificações é tamanho que fica difícil ver a vantagem para a turma que quase chegou lá, mas não levou. Não rende prêmios ou glórias. Não dá sequer para usar como argumento de performance para atrair clientes. Dura menos de um dia até o resultado final, mas os envolvidos ficam ansiosos. Todos adoram sonhar com um Leão na prateleira.

Além da nove ações de Promo Lions, há mais 16 ações de marketing direto (Direct Lions) na fila de espera para entrar na lista defintiva. Nela, as agências de propaganda com atuação no País classificaram 16 peças. Esses resultados prelimirares, somados aos quatro trabalhos classificados na área de PR (relações públicas), dão ao Brasil 29 chances de atrair Leões. Amanhã, saem os resultados das três categorias e serão anunciados o shortlist de mais quatro. Sacou só a maratona de informações? Que venham os Leões.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.