Bolhas de sabão na rodoviária

Marili Ribeiro

16 de dezembro de 2009 | 11h54

rodoviaria
Rodoviária do Tietê

Por mais tecnológica que a criança seja, e hoje quase todas são, ela sempre se encanta com a velha e simples brincadeira de se soprar bolhinhas de sabão. A bem da verdade, o efeito costuma provoca risinhos até entre os crescidinhos. Talvez por isso, a agência de propaganda NeogamaBBH tenha recorrido a chuvas de bolhas, que estão acontecendo em três estações rodoviárias de São Paulo, para ajudar a vender o sabão em pó Surf da Unilever.

Por três meses, a partir de dezembro, quatro máquinas vão expelir milhões de bolhas nas rodoviárias do Tietê, Barra Funda e Jabaquara. A expectativa otimista da agência, contando com o período de férias, é que sejam impactadas mais de 12 milhões de pessoas. A conta é simples, consideram que os terminais chegam a registrar um fluxo de 400 mil pessoas por dia nessa época do ano.

Para vender o seu peixe, ou melhor, o sabão de nome pomposo “Surf Bolhas de Oxifresh”, foram instalados painéis com o anúncio justapostos às máquinas que produzem as lúdicas bolhinhas. Há comercias na televisão sendo veiculados ao mesmo tempo.

E ninguém precisa ficar preocupado com as bolhas dispersas no ar. Elas são feitas a partir de um composto de glicerina líquida com sabão neutro e um ativo com aminoácido que torna o produto atóxico, inodoro, seguro, e, vantagem suprema, não deixa o piso molhado. Caso contrário, já imaginou como iria emporcalhar a rodoviária?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.