finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Boteco de gelo, quase lá

Marili Ribeiro

06 de novembro de 2009 | 02h26

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/Pr8Zcax8msw” width=”480″ height=”295″ wmode=”transparent” /]

bar de gelo tóquio
Bar de gelo em Tóquio

Ao redor do mundo a onda dos bares literalmente gelados – temperaturas abaixo de 5º graus – já não são novidade. Dos países nórdicos, que inspiram propostas do gênero com suas temperaturas frias, à África do Sul e passando pela desértica Dubai, nos Emirados Árabes, todos têm versões do gênero. Locais em que as pessoas vestem roupas próprias para beberem em ambientes repletos de móveis esculpidos em gelo. Na maioria dos casos, são locais ligados a uma marca de bebida. Funciona como atração turística e ação de marketing.

Sampa estreou nesse roteiro, ainda que com uma versão temporária e mais pobre do que as encontradas lá fora. A responsabilidade pela iniciativa é da AmBev para divulgar sua marca de cerveja Antarctica Sub Zero.

Com projeto da agência de eventos da B/Ferraz, a AmBev instalou na Vila Madalena (rua Mourato Coelho) um bar em forma de iglu com cerca de 300 metros e que, no seu interior, mantém uma câmara onde se pode vivenciar a experiência de beber a cerveja em copos feitos de gelo. Lógico, devidamente paramentados, com luvas e um blusão especial. É rápido e divertido, embora fique distante dos bares na categoria mundo afora, com espaços bem maiores e muitos detalhes.

A empresa vai manter o iglu no local por duas semanas. Depois ele segue viagem para São José do Rio Preto e Uberlândia. O bar itinerante foi desenvolvido com o objetivo de mergulhar o público no que a cervejaria define por “universo da Antarctica Sub Zero”, uma marca lançada em julho e que é vendida com a aura de ser duplamente filtrada a baixas temperaturas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: