Em propaganda, entre os grandes

Marili Ribeiro

06 de junho de 2009 | 13h13

Há anos a liderança entre as agências brasileiras de publicidade que mais inscrevem peças nas disputas do Festival Internacional de Publicidade de Cannes não se altera significativamente. Na 56ª edição, que acontece entre 20 e 27 de junho na costa francesa, não será diferente. Com 155 trabalhos cada uma, as agências AlmapBBDO e DM9DDB se inspiraram na boa safra de prêmios em outros eventos do meio publicitário, que antecedem Cannes – o maior e mais badalado festival do gênero -, e não arrefeceram o ânimo com a crise global garantindo suas habituais participações.
O acompanhamento elaborado pelo jornal O Estado de S. Paulo a partir de 2001, desde que assumiu a representação oficial do Festival no Brasil, mostra também a permanência do País entre os três maiores participantes, atrás apenas dos EUA e da Alemanha. Nesse mesmo período, a Índia cresce em presença e agora já surge em quinto lugar no total de inscrições. Fora isso, entre os dez mais, como aliás tem sido frequente nos últimos dez anos, estão Inglaterra, Espanha, Canadá, Austrália, França e Japão.
Do Brasil, 150 empresas do segmento de prestação de serviços em comunicação estão na competição. Como ocorreu com outros países em função da retração econômica, houve queda do total de peças inscritas. Foram 1.519 trabalhos, 38% menos do que em 2008. Os trabalhos em julgamento vão enfrentar 11 júris que selecionam o que de melhor se produziu em comunicação e propaganda no último ano.
Neste ano, três anunciantes se inscreveram diretamente na organização do Festival de Cannes. Caso do Sport Club Corinthians Paulista que concorre com um trabalho na categoria que escolhe as melhores ações promocionais. A Secretaria de Relações Públicas do Senado Federal e a TV Globo inscreveram ações em uma categoria nova, que julgará trabalhos de comunicação corporativa ou Relações Públicas. O Brasil surpreende e lidera em âmbito mundial a categoria Design, com 15% dos trabalhos concorrentes. Os profissionais da área viram no atual momento uma oportunidade para divulgar as aptidões do Brasil no setor. Acreditam que, como em propaganda, o País pode conquistar um lugar ao sol também em design. O número de inscrições do Brasil em design pulou de 48 no ano passado, para 174 este ano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.