O tiro saiu pela culatra

Marili Ribeiro

16 de fevereiro de 2010 | 20h04


A rainha Ellen Rocha brilhou na Rosas de Ouro (José Patrício/AE)

A Cacau Show é uma indústria 100% nacional, fundada em 1989 e especializada na fabricação de chocolates. Os profissionais de marketing que atendem a empresa viram no apoio à escola de samba Rosas de Ouro, que desfilaria com o tema “chocolate”, uma oportunidade de valorizar a marca. Feitas as negociações, que dizem ter custado algo em torno de R$ 2 milhões, a expressão “cacau é show” entrou no samba enredo da escola.

Mas aí, rolou uma saia justa. A toda poderosa Rede Globo, que detém os direitos de transmissão dos desfiles do Rio e de São Paulo, não gostou desse “merchandising” embutido na música. Resultado, para evitar problemas, a direção da escola se viu obrigada a mudar a letra. O que era “show” virou “cacau chegou”.

Seria mais uma história entre tantas, que acabaria desaparecendo no meio dos infindáveis interesses do mundo dos negócios, se a escola não tivesse saído vitoriosa. Mas a escola ganhou. E aí veio o troco.

Ainda no Anhembi na hora da aclamação da vitória, a presidente da Rosas de Ouro, Angelina Basílio, declarou: “Há um mês, tive de mudar uma palavra do samba-enredo. Não foi fácil para a comunidade aceitar. Mas, agora, vamos voltar para a letra original. Agora podemos dizer que o cacau é show. A Rosas de Ouro acredita em parceiros”.

Sorte da Cacau Show. Ganhou uma boa exposição de mídia. E , melhor, ficou no papel de boa moça.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.