finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

O verão vai ser do litrão

Marili Ribeiro

22 de novembro de 2009 | 23h29

cervilitrao

Faltava a entrada da Femsa, dona das marcas Kaiser e Sol, para que as quatro maiores participantes do mercado cervejeiro oferecessem o produto na embalagem de um litro. Agora não falta mais. O diretor da companhia, Paulo Macedo, embora não dê data, confirma a venda do seu “litrão” na temporada de verão. Aliás, entre os profissionais que acompanham o movimento do setor, não há dúvidas: “o verão vai ser do litrão”.

Não é de espantar. Afinal, o custo-benefício em relação à tradicional embalagem de 600 ml – que fica, no mínimo, 10% mais barata – fez a embalagem cair no gosto do público e, lógico, no bolso do consumidor. Em São Paulo, onde a distribuição do produto anda precária, consumidores se queixam de falta de abastecimento. “Tem armação por causa da guerra de preços entre as cervejarias”, diz Silvio Rodrigues, sócio do Dona Mathilde Snooker Bar, na zona oeste de São Paulo, que serve o litrão em balde de gelo para agradar seus consumidores.

Quem trouxe a embalagem para o mercado foi a gigante AmBev, que, com isso, ganhou participação de mercado. Há um ano, em outubro de 2008, a cervejaria tinha 67,9% do mercado em volume. Em outubro deste ano, pulou para 70,6%. Uma conquista nada desprezível, considerando que cada ponto ganho representa cerca de R$ 120 milhões a mais no faturamento anual da empresa. De janeiro a agosto de 2008, foram vendidos 4 milhões de litros da bebida no litrão. No mesmo período deste ano, as vendas na mesma embalagem chegaram a quase 78 milhões de unidades, segundo o Instituto Nielsen.

Enquanto a AmBev espalhava seu litrão por mercados como o Nordeste, onde a concorrente Schincariol reinava, as outras cervejarias perdiam vendas. A Schin, por exemplo caiu de 12,9% participação de mercado em outubro de 2008 para 11,4% em outubro último. Para estancar o avanço da gigante, Schincariol e Petrópolis correram para lançar suas versões.

A Petrópolis reagiu primeiro e, desde o fim de setembro, pôs a embalagem no portfólio. Douglas Costa, gerente de marketing da empresa, explica que ainda não tem levantamento de vendas, porque a distribuição tem sido progressiva, tendo começado pelo Rio e chegado a São Paulo no início de outubro. “A expectativa é que a Itaipava de um litro esteja em todo Estado de São Paulo até a primeira semana de dezembro. Já a Crystal litro começou a ser distribuída por São Paulo a partir deste mês de novembro”, diz ele.

Mais informações no Estado de hoje(“Litrão de cerveja vai reinar no verão“) na pág. B14.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.