Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Preparativos

Marili Ribeiro

07 de maio de 2009 | 20h55

Nos últimos anos, os organizadores do Festival Internacional de Publicidade de Cannes têm convidado jornalistas brasileiros para escreverem sobre o negócio da propaganda no País. O Brasil se destaca entre os 90 países participantes. Fica sempre entre os que mais inscrevem peças publicitárias para concorrer aos troféus em forma de Leões atribuídos aos melhores trabalhos. Assim como o Brasil, outros participantes mais ativos estão na edição inaugural da revista Lions Daily News, que será distribuída, a partir de 20 de junho, aos mais de dez mil participantes e delegados que se reúnem por dez dias na costa francesa.

Este ano coube a mim a tarefa de produzir o artigo. Para levantar dados e colher impressões sobre o atual momento do mercado brasileiro de publicidade, conversei com experientes profissionais do meio. Ouça trechos de três entrevistas:

Alexandre Gama“O nome do jogo é mix de comunicação
e não meio de comunicação”

Ouça: Alexandre Gama, presidente da NeogamaBBH

Marcello Serpa“A propaganda brasileira não pode ser bege”
Ouça: Marcello Serpa, sócio e diretor de criação da AlmapBBDO

Nizan Guanaes“O negócio da propaganda no Brasil se enfraqueceu como indústria, não como talento”
Ouça: Nizan Guanaes, presidente do Grupo ABC

O Jornal O Estado de S.Paulo é o representante oficial do evento no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: