Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Propaganda enganosa

Marili Ribeiro

24 de agosto de 2009 | 08h35

Quando o Procon de São Paulo autuou as cervejarias Schincariol e Petrópolis por conta de propaganda enganosa – com o argumento de que campanhas publicitárias das duas empresas induziriam o consumidor a pensar que o selo de proteção usado nas latas de cerveja seria higiênico, fato contestado pelo órgão -, acendeu-se um sinal de alerta. Cada vez mais as discussões em torno do negócio de fazer publicidade não se limitam ao Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar), o órgão privado de setor que sempre dominou esse debate.

Há cinco anos, segundo os registros do Procon-SP, foram multadas 40 empresas por prática de propaganda enganosa. Este ano, esse número já foi atingido apenas no primeiro semestre. “Os consumidores estão mais críticos em relação aos seus direitos”, acredita Paulo Arthur Góes, diretor de fiscalização do Procon-SP.

Para ele, a própria instituição mudou a forma de lidar com o que chama de “artifícios criados pela propaganda que geram expectativas que os produtos e serviços não conseguem entregar”. Góes não pode comentar casos em andamento, mas gosta de citar o que considera exemplos clássicos do tipo de manobra que a publicidade inventa para atrair.

Mais infornções no Estado de hoje (“Propaganda no alvo do consumidor“) pág. B1

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.