Silêncio no Conar

Marili Ribeiro

17 de fevereiro de 2010 | 16h13

Brahma/Guerreiros

Liguei várias vezes para o Conselho de Ética do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) atrás de informações sobre o destino do comercial “Guerreiros”, criado pela agência de publicidade África para a cerveja Brahma. Mas nunca obtive resposta. Acho que agora entendi o mistério. Não queriam mesmo dar visibilidade para o caso.

Acabaram de me contar que a primeira reunião do Conar deste ano (realizada em 11/02) tratou exatamente do tema. Aliás, teve nobre presença em defesa da campanha: a do presidente da África, Nizan Guanaes, e do diretor de marketing da AmBev, (dona da marca Brahma), Marcel Marcondes.

Por maioria de votos, a reunião decidiu pelo arquivamento da representação contra o anúncio, que esteve em cartaz no final do ano, quando a empresa lançou a mensagem publicitária “guerreiro na vida, guerreiro no campo”. A ideia era estimular a torcida para a temporada da Copa do Mundo da África do Sul. Mas acabou chamando a atenção na época em que foi veiculado, por causa dos vários episódios de violência entre torcidas nos estádios. Houve muita pancadaria e alguns feridos. Uma legítima batalha campal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.