Seja rápido, pode ser um facilitador

Marili Ribeiro

15 de junho de 2009 | 09h14

Uma das grandes regras do marketing é que a melhor forma de enfrentar uma crise é investir em propaganda para conquistar mercado da concorrência. Os executivos da montadora Ford, Antonio Baltar Junior, gerente-geral de Marketing, e Ivan Nakano, gerente de Varejo, acrescentariam a essa máxima a frase: “obtém melhor resultado quem for rápido – bem rápido – nas decisões”.
Os dois atribuem a conquista de mercado da empresa este ano – um ganho de 1,5 ponto porcentual – à velocidade com que a Ford agiu tão logo o governo anunciou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a compra de automóveis.
“O anúncio foi numa quinta-feira à noite e, no sábado, a nova campanha, com os preços reduzidos, estava no ar em televisão, rádio e jornais”, diz Baltar. “Foi uma maratona alinhar com os 400 revendedores da marca o repasse integral do IPI. Não poderia ser 6% ou 5%, mas os 7% anunciados”, acrescenta Nakano. A Ford, que detinha 9,3% do mercado entre janeiro e maio de 2008, passou a 10,9% no mesmo período de 2009.

Mais informações no Estado de hoje (“Rapidez nas ações vira arma na crise“) pag. B12.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.