Tsunami DM9DDB

Marili Ribeiro

03 de setembro de 2009 | 13h55

Depois que foi parar na mídia tradicional americana na rede de tevê NBC e no jornal New York Times, como aliás tem sido o costume, foi que o “tsunamico” anúncio criado pela DM9DDB para a ONG em defesa do meio ambiente WWF causou estragos e inúmeros comunicados. Ele foi apresentando este ano em Cannes, durante o badalado Festival de Publicidade. Ele foi criado no final de 2008. Sites, blogs e afins mencionaram a obra. Mas o barulho começou agora com a mídia americana enfurecida. E, pior do que a peça publicitária, está sendo a reação da agência responsável. O anúncio é infeliz por si ao relacionar, com a imagem de aviões em baixa altitude indo em direção às torres gêmeas, o texto que diz que o Tsunami matou muito mais gente do que o 11 de Setembro. Veja aqui o filme que está no site Creativity. Vamos combinar que não foi uma grande ideia. Insensível, no mínimo. Mas o mundo está repleto delas. Um escorregão.

Como bem sinalizou o jornalista especializado no segmento, Adonis Alonso, tudo ficaria mais fácil se o presidente da agência, Sérgio Valente, um baiano de discurso áfavel e ótimo comunicador, viesse a público perdir desculpas. “Erramos”. Ficar pondo a culpa em subalternos serve apenas para pôr mais lenha na fogueira. Afinal, custa a crer que uma agência do porte de uma DM9DDB, eleita com tanta festa a agência deste ano no Festival de Cannes, não tem controle sobre o que se produz e se divulga sobre ela.

ATUALIZAÇÃO – 04/09/2009
A novela segue com desdobramentos e mais desculpas. Abaixo o comunicado que está no site da agência DM9DDB desde sexta-feira, assinado pelo presidente Sérgio Valente:

“Como presidente da DDB Brasil peço pessoalmente desculpas pelo anúncio e pelo filme Tsunami criados para o WWF Brasil. Esse trabalho foi desenvolvido por um grupo de jovens profissionais da agência, buscando enfatizar o poder da força da natureza. Reconhecemos que esses – anúncio e filme – jamais deveriam ter sido aprovados por alguém nesta agência, nunca deveriam ter sido propostos ao cliente, veiculados em qualquer lugar ou sido submetidos a prêmios. Essas peças publicitárias, ainda que veiculadas uma vez em veículos locais, acabaram por gerar conseqüências globais que mostram que o alcance de uma peça publicitária já não é mais local.
Em nome da DDB Brasil, reafirmo que esses anúncios não refletem a posição nem o pensamento da agência no que diz respeito aos acontecimentos de 11 de setembro. Ao cliente e a todos que se sentiram direta e indiretamente ofendidos por essa campanha, em meu nome e em nome da agência, peço as mais sinceras desculpas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.