Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Tudo pelo emprego

Marili Ribeiro

22 de maio de 2009 | 18h30

campanha Africa
campanha Africa

A inspiração no desemprego, que a atual campanha da operadora de telefonia Vivo pôs no ar, surpreende. Ela trata de um tema delicado para o universo do negócio de se propagandear, que procura difundir mensagens alto-astral. Os dois comerciais, realizados por agências de publicidade distintas – fato também pouco comum no meio –, receberam a mesma instrução da diretoria da Vivo. Nela a ideia básica era mostrar que o desempregado pode parar de fazer outras coisas, só não pode ficar desconectado. Para a operadora vivemos a era da sociedade em rede e a conexão se tornou bem de consumo essencial.
Num dos filmes, um garoto comunica aos amigos que o pai, que acaba de perder o emprego, faz cadeiras. Graças a foto que envia do produto da marcenaria paterna, arranja emprego para o pai. No outro comercial, um rapaz pede auxílio à sua rede de contatos para garantir uma boa performance durante a entrevista que fará para uma vaga de emprego. Outra vitória da conexão.
O mais curioso por trás dessa estratégia de comunicação é saber que ela nasceu após uma visita da cúpula da empresa à Secretaria do Trabalho em São Paulo. Ali, eles ficaram sabendo que hoje em dia é mais eficiente comunicar por mensagens instantâneas a existência de vagas para trabalhadores, do que por e-mails ou telefonemas. Touche. Há mais de 140 milhões de celulares nas mãos da população brasileira, 80% deles pré-pagos.
E mais um fruto da visita foi a oferta pela operadora do serviço ‘Vivo me liga’. Com ele, o dono de um celular pré-pago pode enviar um torpedo sem custo. Fizeram isso pensando no cara desempregado que precisa se comunicar em busca de uma colocação.
As imagens acima são da campanha criada pela agência Africa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: