Varejo chique

Marili Ribeiro

09 de junho de 2009 | 22h21

anuncio Ford

Um semáforo que ganha vida diante de um carro da Ford e permanece indefinidamente no vermelho para poder observá-lo, enquanto o verde protesta, é o próximo comercial da série criada pela agência de publicidade JWT para vender os automóveis da montadora. Antes dele, uma calculadora e uma cafeteira (é que o que está agora no ar ) também ganharam animação. A Ford decidiu investir em propaganda para o varejão. Não quer mais anúncios de preços com os carros ofertados em primeiro plano. As ações daqui para frente têm que oferecer conteúdo, conta o gerente geral de marketing da companhia Antonio Baltar Jr. É lógico que pesquisas apontam nessa direção indicando um consumidor farto da publicidade focada na gritaria das ofertas ( ainda que com fundo musical ). Fácil de compreender essa aversão, afinal quando ele chega à concessionária pode não encontrar o que imaginava ao ver o anúncio. Mas, no caso específico da Ford, a iniciativa foi adotada diante de uma contatação prática. A verba de marketing migrou para o varejo neste ano de crise e incentivo às promoções. Se antes os anúncios institucionais e de lançamentos consumiam 65% da verba, agora têm que de se conformar com metade desse valor. A saída foi conciliar a publicidade elegante de construção de marca com a promoção de venda. É a era do varejo chique.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.