Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os jovens querem um emprego público

Economia & Negócios

22 de março de 2012 | 10h00

A exigência de experiência profissional anterior e o salário inicial baixo costumam ser dois dos principais entraves à entrada dos jovens no mercado de trabalho. Esses fatores podem explicar porque, cada vez mais, cresce a procura de recém-saídos da escola ou da faculdade por uma colocação no setor público, em um mercado de trabalho com baixo nível de desemprego – ficou em 5,7% em fevereiro – e com escassez de profissionais.

Prova disso é que eles já invadiram as salas dos cursinhos em busca de preparação para o concurso público. “No período da manhã, 90% dos nosso alunos são jovens de 18 a 24 anos, geralmente desempregados”, conta José Luiz Baubeta, da Central dos Concursos. “Eles querem independência, querem trabalhar numa área que remunere bem e os faça feliz”, completa. O mix de concurseiros muda também de acordo com os horários. “De manhã, predominam os jovens. À noite e nos fins de semana, a presença maior é de pessoas na faixa etária dos 40, que estão procurando uma alternativa à carreira e também estão de olho na aposentadoria”, diz.

“Acho que uma característica (do emprego público) que atrai os jovens é a possiblidade começar com um salário inicial alto”, afirma Carlos Alberto De Lucca, coordenador do Siga Concursos. Segundo ele, a procura dos recém-graduados por preparação para o emprego público é comum há algum tempo na área jurídica e agora está crescendo também em outras áreas.

Qualquer que seja a idade, contudo, a escolha da carreira pública nunca deve ser feita por impulso. “Não é só escolher, é preciso pesquisar bem a função que desempenhará na vaga”, afirma De Lucca. Para Baubeta, uma opção é, assim que feita a escolha, procurar uma repartição pública e buscar informações sobre o dia a dia de trabalho. Os editais, claro, são a primeira fonte de pesquisa. Eles devem trazer um descritivo das funções de cada cargo que tem vagas abertas.

Caso a escolha se mostre equivocada no futuro, os mais novos levam vantagem: “Os jovens procuram algo que os satisfaça, mas se isso não ocorrer, eles conseguem mudar de emprego com mais facilidade”, afirma Baubeta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: