10 sugestões para sair de férias e voltar sem dívidas

Yolanda Fordelone

19 de dezembro de 2012 | 10h52

RiodeJaneiro_MarcosdePaulaEstadao.jpg

Foto: Marcos de Paula/ Estadão

Sair de férias é um sonho, pessoal e familiar, que não se deve deixar de ser feito. Porém, é preciso evitar se endividar muito além da capacidade de pagamento e fazer com que as férias se transformem em pesadelo.

Segundo o educador financeiro, Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira e Editora DSOP, é necessário sempre planejar os compromissos e saber o que fará nas próximas férias com uma antecedência de 6 a 18 meses. Além disso, os programas e destinos turísticos devem ser compatíveis com a renda.

O segredo, segundo ele, é encarar as férias não como despesas e sim como um grande investimento. Nas contas de telefones, por exemplo, deve-se evitar ligar muito para parentes e amigos para falar como está a viagem. O melhor é se comunicar via internet ou via torpedo. Veja 10 dicas feitas pelo educador:

1) Antes de reunir a família para conversar sobre a viagem de férias é preciso saber em que situação financeira se encontra (endividado, equilibrado financeiramente ou poupador);

2) Após definido o quanto pode investir na viagem é necessário sentar com a família para planejar;

3) Uma vez definidas as preferências de lugares, é hora de pesquisar na internet e buscar nas operadoras de viagens os melhores pacotes e vantagens;

4) Lembre-se de consultar se tem milhas em seu cartão de crédito. Isso pode ajudar a diminuir sensivelmente o custo das passagens;

5) Se for viajar de carro dentro do País, faça uma revisão do mesmo. Verifique documentação, seguro e somente dirija se estiver em boas condições físicas;

6) Atenção para pacotes econômicos com pagamento antecipados. O grande cuidado é pesquisar a operadora de viagem para saber de sua saúde financeira e consultar os órgãos de consumidores para atentar-se quanto a reclamações sobre a mesma;

7) Caso vá viajar para o exterior é fundamental que se adquira a moeda estrangeira daquele país: 80% em cartão pré-pago e 20% em dinheiro em espécie. Caso tenha vários familiares, faça com que todos tenham seus cartões com os limites já pré-estabelecidos e combine que este é o valor de sua cota. Oriente quanto dá para cada dia;

8) Levar no máximo dois cartões de créditos, com vencimentos próximos e posteriores a data da viagem. Lembre-se de informar a operadora de cartões para que saiba que estará fora do País durante o período;

9) Mesmo levando-os, evite utilizar os cartões de crédito em caso de viagem fora do País, pois no pagamento terão a conversão da moeda mais um custo de 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras);

10) Qualquer que seja a viagem, do total do valor gasto o turista deverá levar uma reserva de 30% à 50% a mais. Imprevistos e surpresas, como passeios de última horas, presentes e lembranças, sempre acontecem. Caso tenha encomendas para trazer, procure sempre receber o dinheiro antes de quem encomendou.

 

Tudo o que sabemos sobre:

dívidaférias

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.