8 sugestões para o consumidor aproveitar a Black Friday

8 sugestões para o consumidor aproveitar a Black Friday

Yolanda Fordelone

18 de março de 2015 | 11h50

Foto: Stock Xchng

Foto: Stock Xchng

Na semana em que se comemora o Dia do Consumidor, o varejo resolveu inovar e inventar uma nova “Black Friday“, que ocorre nesta quarta-feira, 18. O consumidor, no entanto, não deve se empolgar e deixar de ficar atento às “promoções” do setor. O site Reclame Aqui, que reúne queixas de consumidores, listou oito sugestões para que o comprador aproveite o dia e não tenha dor de cabeça:

1. Evite compras por impulso. É bom ter calma com datas comemorativas, isso porque geralmente elas trazem consigo compras por impulso. O maior aliado do consumidor é a pesquisa de preços, produtos e empresas. Outra sugestão para evitar o impulso é só comprar o que realmente necessita e o que já estava de olho nos preços anteriormente à promoção.

2. Desconfie de descontos elevados. Se flagrar alguma promoção absurda, cuidado! Se for uma falha no site, isso pode dar muita dor de cabeça depois. Pesquise um pouco mais e desconfie de preços muito fora do normal.

3. Verifique o produto. Em caso de compras em lojas físicas certifique-se do estado do seu produto. Se o seu conteúdo confere com os dados descritos na caixa/embalagem e se ele apresenta algum problema.

4. Atenção redobrada em compras online. Em compras online, garanta que se trata de uma loja virtual segura. Sites de e-commerce confiáveis costumam apresentar maior segurança com o protocolo “https” no início do endereço eletrônico.

Em alguns navegadores, além do “https” no endereço, esse protocolo aparece com fundo verde ou ainda com um cadeado fechado ou uma pequena chave, sinalizando que a troca de informações (cadastro, números de cartão e/ou conta corrente) é ainda mais segura.

Sites seguros e confiáveis têm um padrão para efetuar compras. O mais comum é o usuário fazer um cadastro com nome, endereço e e-mail e de entrega dos produtos. É pedido também, no ato da compra, o número do cartão de crédito do usuário (caso não seja pago por boleto), mas nunca é solicitada a senha do cartão. Desconfie caso precise preencher dados desnecessários. Se for preciso, entre em contato para saber o motivo.

Não utilize computadores e pontos de conexões públicos (cursos, bibliotecas, lan houses…) para fazer compras virtuais. Eles podem não estar seguros o suficiente. Muito menos compras online se utilizando de redes Wi-Fi abertas, nada confiáveis, no quesito segurança.

5. Cheque o valor do frete. Evite surpresas desagradáveis e verifique se há despesas adicionais (fretes, taxa de importação, manuseio ou presente) e confira os prazos de entrega para a sua região e políticas de troca.

6. Documente o que puder. Guarde todas as informações fornecidas no ato da compra, tais como: nome do site, o que foi adquirido, quanto foi pago, os protocolos de atendimento, data para entrega e serviço de SAC.

7. Procure a empresa. Se desconfiar de alguma atitude, tente contato diretamente com a empresa. O contato também é bom porque de antemão você já verifica se é difícil contactar a empresa em um eventual problema na compra.

8. Veja a opinião de outros consumidores. Além de checar em órgãos como o Procon, o consumidor pode fazer uma pesquisa na internet para verificar a opinião de outros compradores. O próprio site do Reclame Aqui é uma das fontes de pesquisa. Caso tenha algum problema na compra, também faça a sua reclamação e deixe outros consumidores atentos.

Tudo o que sabemos sobre:

Black Fridaydescontopromoção

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.