A hora de cortar a mesada

Tânia Rabello

23 de março de 2010 | 19h36

Parar de pagar mesada aos filhos, normalmente, é um momento de impasse na vida das famílias de classe média. Os herdeiros não acham que é a hora de cortar o recurso. Os pais, em dúvida, já percebem que os pequenos cresceram e podem trabalhar para conseguir a própria verba.

Para Cássia D´Aquino, especialista em educação financeira, parar de pagar a mesada “é ainda mais difícil do que começar”. “Como no Ocidente nós não temos um ritual de passagem para a vida adulta, os pais não sabem o momento em que a mesada deve ser cessada”, diz. Porém, ela afirma que os pais têm de ter em mente que as crianças crescem e, a melhor maneira de criar adultos responsáveis, e dando a independência financeira, que deve conquistada por meio da obtenção de um trabalho. “Considero o ingresso à faculdade como um bom momento para começar a retirar o benefício”, avalia.

Rogério Bastos, da consultoria FinPlan, concorda que os pais têm de ficar atentos ao momento da retirada da mesada. “É preciso cortar o cordão umbilical”, diz. Para ele, o momento ideal de tirar os recursos dos herdeiros, é quando o filho chega a idade em que ele já poderia ser capaz de ter um emprego e, consequentemente, salário. “Não dá para dizer uma idade limite, mas os pais precisam ter a percepção de quando o filho já poderia estar trabalhando”.

Tudo o que sabemos sobre:

famíliafilhosfinançasmesadaplanejamento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.