Aluguel novo em São Paulo sobe quase 8% em 12 meses, taxa acima da inflação

Yolanda Fordelone

23 de maio de 2013 | 12h37

chaves.jpg

Em abril, alta foi de 1%. Fonte: Morgue File

Contratos de aluguel residencial firmados durante abril em São Paulo apresentaram valores médios 1% superiores aos do mês anterior, de acordo com pesquisa efetuada pelo Secovi-SP. No acumulado de 12 meses (maio de 2012 a abril de 2013), a alta atinge 7,96%, percentual maior que os 6,49% da inflação oficial do período (medida pelo IPCA) e que a variação do IGP-M, da Fundação Getúlio Vargas, de 7,30%.

Segundo o Secovi-SP, apesar de estar acima de inflação, a alta dos alugueis não está tão descolada da alta dos preços, como ocorreu no ano passado.

Os imóveis que tiveram as maiores altas em abril foram as unidades de um dormitório, com elevação de 1,5%. As locação das residências de dois quartos subiram 0,9% e os das unidades de três dormitórios, 0,5%.

O fiador foi a garantia mais utilizada (47% dos contratos de locação). Outro tipo de garantia muito usada foi o depósito de até três aluguéis (32% das locações). O seguro-fiança respondeu por 20,5% das unidades alugadas.

 Variação do aluguel
MêsVariação (%)
jan/120,7
fev/120,1
mar/121,4
abr/120,1
mai/121,5
jun/120,2
jul/120,1
ago/120,9
set/120,2
out/121,2
nov/121,1
dez/120,2
jan/130,5
fev/130,7
mar/130,1
abr/131 

As casas e os sobrados foram locados mais rapidamente do que os apartamentos no período da pesquisa. Eles foram locados em um período médio entre 13 e 30 dias, enquanto os apartamentos tiveram velocidade de locação entre 18 e 37 dias.

grafico1.jpg

 

Tudo o que sabemos sobre:

aluguelimóvel

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.