Até pré-pagos devem superar cheques

Yolanda Fordelone

28 de abril de 2010 | 15h07

Há tempos eles já foram superados pelos cartões de crédito e débito. A facilidade, rapidez e segurança destes meios de pagamento deixaram a utilização de cheque para trás. Agora, segundo dados do Grupo Setorial de Pré-Pagos (GSPP), é a vez de o cheque ser ultrapassado pelos sistemas de pagamento antecipados ou pré-pagos na preferência do consumidor brasileiro.

Basta pensar quantos produtos pré-pagos você passou a utilizar nos últimos anos: vales alimentação, refeição e transporte, assim como a telefones pré-pagos. Para a GSPP, esses meios de pagamentos movimentarão R$ 89 bilhões até o final deste ano.

As estimativas da entidade são de que o segmento chegará ao final de 2012 movimentando cerca de R$ 123 bilhões. Nesta época, os cheques usados para pagamento do consumo privado dos brasileiros serão responsáveis por um montante de R$ 105 bilhões. 

A vantagem da utilização de meios pré-pagos é o maior controle sobre os gastos que o consumidor pode ter. O gasto é limitado ao valor que já foi comprado. Para aqueles que não têm o hábito de acompanhar as despesas em uma planilha, é um bom instrumento de controle financeiro. Vai aí a dica…

Tudo o que sabemos sobre:

cartãochequecréditodébito

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.