Bancos começam a negociar três novos pacotes padronizados de serviços a partir de segunda-feira

Yolanda Fordelone

28 de junho de 2013 | 08h15

cheque_robsonFenandjesestadao.JPG

Novos pacotes trazem fornecimento de cheques e outros serviços combinados em diferentes quantidades.

Foto: Robson Fernandjes/ Estadão

A tarefa de comparar pacotes bancários se tornará mais fácil a partir desta segunda-feira, 1º de julho. Na semana que vem, começa a valer a Resolução Nº 4.196 do Banco Central que determina que todos os bancos terão de comercializar mais três pacotes padronizados de serviços, além do básico que já existia.

Os pacotes incluem serviços de saque, extrato e transferências, em diferentes quantidades (Veja tabela abaixo). A grande vantagem é que os serviços vendidos em pacote padronizado fazem com que a comparação de preços seja realizada de maneira mais simples. Além disso, o consumidor deve conseguir descontos na venda em conjunto.

A Caixa Econômica Federal já divulgou o preço de seus novos pacotes. Do pacote mais simples para o mais completo, custarão R$ 11,90, R$ 15,90 e R$ 23,90. A economia gerada em relação à compra dos serviços de forma individual será, respectivamente, de 51,52%, 62,60% e 58,86%.

 NOVOS PACOTESQuantidade
ServiçoPacote 1Pacote 2Pacote 3
Confecção de cadastro para início de relacionamentoIsentoIsentoIsento
Fornecimento de folhas de cheque2510
Saque 468
Extrato dos últimos 30 dias 466
Extrato de outros períodos244
Transferência por meio de DOC 123
Transferência por meio de TED123
Transferência entre contas na própria instituição 2246

Documento

Além desses três novos pacotes, os bancos poderão continuar montando combos personalizados da instituição e deverão manter a venda do pacote básico que já existe.

Além dessas quantidades de qualquer um dos pacotes padronizados, podem ser utilizados gratuitamente: dez folhas de cheque, quatro saques, dois extratos dos últimos 30 dias e duas transferências entre contas na própria instituição.

O Procon-SP entende que a resolução é positiva para o mercado. “Entendemos que todo esse movimento é muito positivo, movimento que começou em 2007 com a padronização do nome das tarifas e serviços. Antes, cada banco utilizava um nome”, diz a superintendente da área de assuntos financeiros do Procon-SP, Renata Reis.

Transparência

De acordo com a resolução, os novos pacotes de serviços deverão ser divulgados em local e formato visíveis ao público, no recinto das suas dependências, nos sites dos bancos e nas dependências de seus correspondentes no País.

“A nova medida reforça que o documento traga de forma apartada a relação de serviços. O que ocorria até hoje é que muitas vezes os bancos, na assinatura do contrato, traziam o nome do pacote, mas não o detalhamento do que incluía”, afirma Renata. Agora tudo deve ficar bem claro ao consumidor, trazendo mais transparência na relação de consumo.

O ideal, segundo a superintendente, é que o consumidor se adequasse ao pacote básico de tarifas, mas caso isso não seja possível é indicado que ele verifique por um período quais operações utiliza e com qual frequência, para ver qual pacote é mais adequado ao seu perfil. Consumidores que já possuem algum pacote do banco podem solicitar o contrato ou algum documento que mostre quais serviços estão incluídos, para a partir de segunda-feira compare o preço com os novos.

Veja também:

Reclamações contra bancos ao Banco Central crescem 169% em doze meses

+ Valor mínimo da transferência via TED cai para R$ 1 mil

Tudo o que sabemos sobre:

bancospacote

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.