Com alta da taxa Selic, juro do crédito sobe 15% em um ano

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Com alta da taxa Selic, juro do crédito sobe 15% em um ano

Selic passou de 7,25% em 2013 para 11% em 2014, elevando o custo de contratar empréstimos e financiamentos; Copom se reúne nesta semana para decidir nova taxa de juros

Yolanda Fordelone

14 de julho de 2014 | 10h55

Financiar um veículo de R$ 25 mil ficou R$ 2.401 mais caro desde o ano passado. Foto: Maira Vieira/Estadão

A alta da taxa básica de juros (Selic) em pouco mais de um ano atingiu em cheio o custo de tomar crédito. Segundo levantamento da Anefac, a taxa de juros praticada no crédito subiu 15,27% no período.

Em abril de 2013, a Selic estava em 7,25% ao ano. Atualmente está em 11% ao ano. Amanhã começa a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para decidir a nova taxa básica, que será anunciada na quarta-feira, 16.

O cartão de crédito foi a categoria que mais sofreu aumento. Quando a Selic estava em 7,25% ao ano, no cartão era cobrado o juro de quase 193% ao ano. Atualmente, a taxa já está em 238,67%, uma alta de 23,7%.

Em simulação é mostrada a diferença que isto faz no bolso do consumidor. Ao utilizar o rotativo do cartão por 30 dias, no valor de R$ 3 mil, o cliente pagaria R$ 281,10 de juros no ano passado. Em 2014, já pagaria R$ 321.

No longo prazo, as diferenças se tornam maiores. No financiamento de um automóvel de R$ 25 mil em 60 meses, o custo subiu R$ 2.401. No ano passado, o veículo sairia por R$ 38.482,90. Em 2014, o financiamento custaria R$ 40.884,39.

Nova Selic. Caso a taxa de juros suba a partir desta semana, o custo irá acompanhá-la. Se subir dos atuais 11% para 11,25%, a taxa média do crédito avançará de 101,98% para 102,44%. Em uma alta maior, para 11,5%, o juro do crédito passará para 102,90%. Na última reunião do Copom, a Selic foi mantida em 11% e, para a maioria do mercado, a taxa deve seguir neste patamar até o fim do ano.

Tudo o que sabemos sobre:

créditofinanciamento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: